Pesquisa mostra que votos brancos e nulos perdem apenas para Crivella

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 26 de agosto de 2016 as 12:53, por: cdb

A pesquisa mostra que Crivella tem seu eleitorado entre os menos instruídos – preferência de 38% entre os que estudaram até o ensino fundamental – e com renda mais baixa

 

Por Redação – do Rio de Janeiro

 

A corrida eleitoral mal começou, no Rio de Janeiro, e o segundo colocado na pesquisa de opinião do Instituto Datafolha, divulgada nesta sexta-feira, são os eleitores que pretendem votar em branco ou nulo, com 20% dos entrevistados. Entre os votos válidos, quem lidera é o bispo e senador da República Marcelo Crivella (PRB), com 28% das preferências. Em segundo lugar, empatados tecnicamente, aparecem o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), com 11%, o também estadual Flávio Bolsonaro (PSC), com 9%, e a deputada federal Jandira Feghali (PC do B), com 7%. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou menos.

Os candidatos à prefeitura do Rio encontraram-se,  noite passada, na sede da Band, na Zona Sul do Rio
Os candidatos à prefeitura do Rio encontraram-se, noite passada, na sede da Band, na Zona Sul do Rio

A pesquisa, realizada na terça e quarta-feiras desta semana, com 928 eleitores entrevistados, mostra que o candidato do prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), o deputado federal Pedro Paulo (PMDB), aparece com 5%. PP, como é conhecido, fica na frente apenas do deputados Índio da Costa (PSD), com 4%, Carlos Roberto Osório (PSDB), com 3%, Alessandro Molon (Rede), com 2%, e Cyro Garcia (PSTU), com 1%. Carmen Migueles (Novo) chegou a ser citada, mas não alcançou 1% das intenções de voto.

Pesquisa atualizada

O estudo mostra que Crivella tem seu eleitorado entre os menos instruídos – preferência de 38% entre os que estudaram até o ensino fundamental – e com renda mais baixa. Entre os entrevistados com faixa de renda familiar de até dois salários mínimos, 34% declararam voto no senador. Crivella está na sua terceira tentativa de chegar à Prefeitura do Rio. Ele busca superar a rejeição ao seu nome em razão do vínculo com a Igreja Universal, da qual é bispo licenciado. Segundo a pesquisa, 22% não votariam no candidato.

Já Freixo é melhor aceito entre aqueles eleitores com níveis mais altos de escolaridade, a ponto de 25% do seu eleitorado apresentar ensino superior completo. Também é o mais citado entre os mais ricos, chegando a 28% dos entrevistados com renda familiar superior a dez salários mínimos. O candidato do PSOL polarizou com Paes a eleição de 2012. Ele obteve na ocasião 28% dos votos válidos.

Flávio Bolsonaro, filho do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC), por sua vez, não lidera em qualquer grupo, embora seu desempenho seja mais efetivo no eleitorado jovem e rico.

Entre aqueles candidatos com o pior nível de rejeição, PP é conhecido por 66% do eleitorado e rejeitado por 28%. Pedro Paulo foi alvo de uma investigação de quase um ano sob suspeita de agressão à ex-mulher. O caso foi arquivado, recentemente, no Supremo Tribunal Federal (STF), mas a rejeição permanece alta, junto as eleitores de ambos os sexos. Diante do quadro negativo, Pedro Paulo aposta nas bandeiras da gestão de Paes para crescer nas pesquisas.

A pesquisa do Datafolha foi concluída após o fim da Olimpíada, mas o sucesso dos jogos ainda não beneficiou o candidato do prefeito. O estudo mostra que 31% do eleitorado aprovam a atual gestão do peemedebista, um recuo de seis pontos percentuais em relação a julho de 2014, mês da última pesquisa. Segundo o instituto, de propriedade do diário conservador paulistano Folha de S. Paulo, 42% do eleitorado avalia como regular a administração Paes, enquanto 26% reprova. A nota média atribuída ao atual prefeito é 5,4.