Pesquisa indica que trabalhadores do Rio sofrem com violência

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 2 de setembro de 2003 as 15:26, por: cdb

O trajeto para o trabalho é um martírio para o trabalhador do Rio de Janeiro não só pela distância, mas também pela violência que atinge o Estado, concluiu uma pesquisa da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) em parceria com o Sesi.

O levantamento feito durante o mês de agosto com 2.665 trabalhadores de todo o Estado do Rio de Janeiro revelou que um em cada quatro trabalhadores sofreu nos últimos dois anos algum tipo de violência.
Dos entrevistados, 56 por cento sofreram assalto à mão armada, 28,2 por cento foram vítimas de furto e 1,5 por cento foi sequestrado.

Trinta e oito por cento dos trabalhadores foram vítimas de violência no trajeto de ida ou volta do trabalho e 10,2 por cento, no próprio local de trabalho.

– O caso que mais chamou a atenção, no entanto, foi o de pessoas ou familiares vítimas de violência — 43,4 por cento foram diretamente vítimas de violência ou tiveram algum membro da família vítima (de violência) -disse a assessora de pesquisas da Firjan, Luciana Costa Marques de Sá.

A avaliação mostra que os municípios da Baixada Fluminense e da Região Metropolitana do Rio foram aqueles que apresentaram a maior incidência de violência a trabalhadores e a familiares destes trabalhadores.

Na Baixada Fluminense, uma das áreas mais perigosas do Estado, 52,1 por cento dos entrevistados foram vítimas de violência ou tiveram um de seus familiares na mesma situação. Na região metropolitana, o número é de 47,7 por cento.

– A violência no Rio hoje é uma preocupação enorme para os trabalhadores. Muitos trabalhadores se sentem desanimados ou abandonam seus trabalhos em troca de algo mais seguro – disse a assessora.

Noventa e três por cento dos entrevistados pediram inclusive que os empregadores contribuam de alguma forma na busca de soluções para a redução deste problema.

O documento será encaminhado ao Governo do Estado e ao Governo Federal.