Pesquisa do IBGE mostra que grau de urbanização chega a 81% em 60 anos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 25 de maio de 2007 as 12:00, por: cdb

A população brasileira cresceu quatro vezes em 60 anos, passando de 41,2 milhões de habitantes em 1940 para 169,8 milhões em 2000. Nesse período, o país deixou de ser essencialmente rural, registrando um movimento acentuado de migração para as cidades. Os dados fazem parte da pesquisa Tendências Demográficas, divulgada nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O estudo foi feito com base no primeiro censo realizado pelo Instituto em 1940 e o último, em 2000.

A pesquisa mostra um país que na época do governo de Getúlio Vargas era essencialmente rural, com 28,2 milhões de habitantes vivendo no campo em 1940, o que correspondia a dois terços dos brasileiros. As cidades possuíam apenas 12,8 milhões de pessoas, número que em 2000 atingiu 137,9 milhões. Assim o grau de urbanização saltou de 31,3% para 81,2% nos 60 anos contabilizados.

O Amapá, que em 1940 era o estado com a menor população urbana, apenas 7,1%, em 2000 atingiu 89% de urbanização. Enquanto que o número de habitantes no Brasil cresceu quatro vezes nesse período, na região Centro-Oeste, a população ficou 11 vezes maior.

Nessa região, assim como na região Norte, aponta o levantamento do IBGE,  “observou-se a presença de contingentes migratórios, atraídos não só por  uma expansão retardatária da fronteira, como o poder de atração do  entorno de Brasília e Goiânia”.

Os estados de Rondônia e Roraima, que em 1940 não atingiam 1 hab/km2, foram os que apresentaram os maiores crescimentos do país, 8% e 6%, respectivamente. Em decorrência de serem “áreas favorecidas por incrementos demográficos da expansão da fronteira agrícola, a partir da década de 1970”.

O estudo do IBGE traz, ainda, informações sobre sexo, idade, cor, religião, nacionalidade, educação, nupcialidade e grupos de atividades econômicas referentes aos censos.