Pesquisa aponta Web 2.0 como risco para segurança corporativa

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010 as 15:03, por: cdb

Quatro em cada cinco profissionais de Tecnologia da Informação (TI) acreditam que malwares baseados na Web 2.0 serão o maior risco de segurança em 2010, segundo o Webroot. A pesquisa realizada pela companhia de segurança também mostra que 73% dos profissionais acreditam que é mais difícil lidar com esses riscos do que com outros baseados em mensagens de e-mail.

Além disso, 23% deles afirmaram que as suas companhias estavam vulneráveis a ataques baseados na web 2.0, incluindo redes sociais como o Facebook e o Twitter, enquanto 25% disseram que estão expostos a hackers que se aproveitam de falhas nos sistemas operacionais da Microsoft. Outros 24% apontaram falhas de navegadores como um risco de segurança.

A Webroot informa que 25% das companhias foram comprometidas por funcionários que acessaram redes sociais por meio de computadores corporativos, enquanto 23% delas tiveram problemas de segurança por downloads de mídia e 23% culparam contas de e-mail pessoais.

Quase dois terços dos entrevistados disseram que suas empresas já foram atacadas por vírus, enquanto 57% deles afirmaram que a companhia já foi vítima de spyware e 32% viram um ataque de injeção SQL no website corporativo.

“Negócios de todos os tamanhos estão acordando para a realidade dos riscos em novas regiões da web, como os sites web 2.0”, alerta o chefe de tecnologias da Webroot, Gerhard Eschelbeck.

Em relação a políticas de uso de internet, 88% das companhias afirmaram contar com uma. Delas, 95% tiveram de reforçam essa política. Mais da metade das empresas (56%) também disseram proibir o uso de redes sociais durante o trabalho.

Eschelbeck recomenda às companhias que acompanhem os riscos de segurança por meio de um serviço que para automaticamente qualquer ameaça baseada na web, filtra o tráfego de internet e reforça as políticas de uso da web.