Perito da Unicamp vai examinar fitas de vídeo da Estácio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 22 de maio de 2003 as 10:33, por: cdb

O perito Ricardo Molina, da Unicamp, chegou na manhã desta quinta-feira ao Ministério Público do Estado do Rio. Ele se reuniu com os promotores Homero das Neves e Márcio Nobre e com a coordenadora da Primeira Central de Inquéritos, Mônica di Piero.

Molina foi chamado ao Rio para auxiliar na recuperação das fitas gravadas na Universidade Estácio de Sá, no Rio Comprido, no dia em que a estudante Luciana Gonçalves de Novaes foi baleada. A polícia acredita que as cenas apagadas das fitas podem conter imagens do autor do disparo que atingiu a estudante.

O policial civil, Marco Ripper, prestador de serviços de segurança no campus da faculdade; e o gerente de tecnologia da empresa responsável pelas câmeras de segurança da Estácio de Sá, já foram indiciados no inquérito.

Duarte é acusado por fraude processual, tendo sido apontado pelos investigadores como autor da adulteração das fitas. O crime é previsto no arigo 347 do Código Penal com pena de quatro anos de prisão.

Marcos foi indiciado por prevaricação por ter, supostamente, encoberto a fraude.

No último dia 5 de maio, durante confronto entre policiais e traficantes do Morro do Turano, nas imediações da Universidade Estácio de Sá, a estudante de enfermagem Luciana Gonçalves foi atingida no rosto pelo disparo de uma bala calibre .40. A bala se alojou em sua coluna.

Luciana foi levada para a Casa de Sáude Portugal e mais tarde transferida para o Hospital Pró-Cardíaco. O quadro da estudante permanece estável mas os médicos ainda não têm um laudo sobre a possibilidade dela voltar a andar.