PEREJIL

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 20 de julho de 2002 as 08:58, por: cdb

Nem Marajó, nem Mallorca nem Manhantan. A Ilha da semana foi Perejil. Nem procure no mapa. Fora a Britânica, ninguém mais julgou necessário lembrar que Perejil existe.Mas não duvide da existência dela, porque Perejil está lá, a duzentos metros da costa Marroquina nas proximidades da lendária Ceuta. Os espanhóis dizem que ela tem 300 metros de comprimento, os marroquinos juram que ela é do tamanho de dois campos de futebol. Mas perguntem a qualquer gaivota do Mediterrâneo o que acha de Perejil e ela vai responde que a ilha não vale nem uma titica de passarinho. Aliás, quando eles estão apertados, preferem voar mais duzentos metros até Ceuta,onde podem desfrutar de uma sombra, porque Perejil não tem uma única arvore. É pedra sobre pedra. Não dá nem lagartixa em Perejil. O que os espanhóis foram fazer numa ilha dessas? Pura implicância. Como não podiam ocupar Gibraltar, ocuparam Perejil. Quer dizer, comunicaram ao Rei de Marrocos em 1670 que a ilha era deles e nem sequer hastearam uma bandeira nela. Esta semana, curtindo a ressaca do casamento do rei, os marroquinos ocuparam Perejil. Quer dizer, dois rapazes foram para a ilha com uma bandeira marroquina.Encarapitados nas pedras sacudiram a bandeira para as câmeras de televisão. Por Dios, a Espanha ferveu de indignação. Sorte que o Bush não é presidente da Espanha, que já tinha acabado com a Ilha. Ainda frustrados com a Copa, os espanhóis enviaram uma corveta para Perejil. Ela deu três voltas na ilha e não conseguiu descobrir um lugar para atracar. A força espanhola, constituída de oito homens [fortemente armados, dizem os marroquinos] remou até Perejil e ocupou a ilha. Os dois marroquinos nem levantaram os braços. Deram, as costas e caíram na água. Fugiram covardemente, dizem os espanhóis. Não é verdade, estavam dentro d’água e ainda não ficou claro se estavam indo ou vindo. Mas foi a vez de Marrocos protestar. A senhora, Ana Palácios, ministra das Relações Exteriores da Espanha, disse que os espanhóis abandonariam a ilha se os marroquinos se mantivesse distantes. Os marroquinos responderam que a ilha é deles e que Marrocos não precisa dar satisfações a ninguém do que pretendem fazer na ilha É provável que a Espanha de uma banana e que os marroquinos respondam com um gesto obsceno Mas apesar dessas escaramuças verbais as coisas estão melhorando, ainda não se disparou um tiro por Perejil.Ela não vale uma bala, só tem valor afetivo Talvez a ONU recomende que se decida a questão no palitinho Ou então que se defina novamente Perejil: é um monte de pedras cercado de estupidez por todos o lados.