Percentual de famílias inadimplentes no país cresce pelo terceiro mês consecutivo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 20 de dezembro de 2012 as 11:36, por: cdb
famílias
O percentual de famílias inadimplentes no país cresceu, em dezembro deste ano

As famílias com dívidas ou contas em atraso passaram de 21% em novembro para 21,7% neste mês, segundo Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor, divulgada nesta quinta-feira pela Confederação Nacional do Comércio (CNC). O total de famílias com dívidas (não necessariamente em atraso), como cheque pré-datado, cartão de crédito, carnê de loja, empréstimo pessoal, prestação de carro e seguros, também subiu de 59% em novembro para 60,7% em dezembro e atingiu o maior patamar deste ano.

Segundo a CNC, o total de famílias que não terão condições de pagar as contas ou dívidas atrasadas também aumentou, de 6,8% para 7% entre novembro e dezembro.

Na comparação com o mesmo período do ano passado, apenas o indicador de famílias sem condições de pagar as contas melhorou, já que era de 7,2% em dezembro do ano passado. Já os percentuais famílias com dívidas e famílias inadimplentes pioraram, já que eram 58,6% e 21,2%, respectivamente, no ano passado.

Intenção de consumo das famílias tem alta de 0,5%

A intenção de consumo das famílias cresceu 0,5% em dezembro deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado. A informação foi divulgada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Entre os indicadores que compõem o índice de intenção de consumo das famílias, foram observadas quedas apenas nos itens segurança em relação ao emprego atual e perspectiva de consumo, ambos com reduções de 1,9% em relação a dezembro do ano passado.

Cinco itens apresentaram aumentos, com destaque para o nível de consumo atual, que subiu 4,9% entre dezembro de 2011 e dezembro deste ano. Os demais itens tiveram as seguintes altas: renda atual (1,8%), perspectiva profissional (1,1%), momento para duráveis (0,8%) e compra a prazo (0,1%).

Na análise das regiões do país, apenas a Centro-Oeste teve queda na intenção de consumo das famílias: -4,4%. Nas regiões que tiveram crescimento, o destaque ficou com a Sul, com alta de 8,6%.