Pequenas coisas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 17 de dezembro de 2002 as 20:38, por: cdb

Esta coluna, com base em ampla consulta, toma a liberdade de repassar ao presidente eleito algumas sugestões de coisas simples que poderia mandar fazer para tornar mais simples a vida das pessoas simples:

1. Retirar das bombas de gasolina que o preço do litro é de R$ 1,998571, como se no Brasil existisse tal moeda. Esse negócio parece inocente, mas é coisa de multinacional que não quer perder um milésimo de centavo.

2. Proibir que as telefônicas façam o mesmo e cobrem R$ 0,231204 por pulso. O Brasil não tem esta moeda.

3. Determinar que os bancos recebam qualquer conta de quem quer que seja, acabando com o rosário de humilhações impostas aos contribuintes.

4. Obrigar que todas as empresas tenham o 0800 para informação e não fazer o infeliz contribuinte pagar R$ 0,27 por minuto para obtê-la.

5. Obrigar que as telefônicas façam catálogo de assinantes e não apenas de empresas.
6. Obrigar que as telefônicas dêem informação de graça sobre telefones da localidade e parem de cobrar R$ 1,50 do usuário.

7. Determinar aos bancos que recebam dívidas com débito automático, com cartão de qualquer banco, como qualquer lojinha recebe.

8. Determinar aos bancos que tenham máquina para preenchimento de cheques.

9. Determinar aos bancos que o não atendimento em 30 minutos terá punição.

10. Proibir que lojas cobrem até R$ 4,50 do usuário a título de seguro de roubo de cartão. Uma rede que tenha um milhão de clientes terá uma fabulosa receita mensal.

11. Proibir que as telefônicas cobrem por serviços não solicitados.

NO PAU
Dois títulos da Secretaria Municipal de Saúde do Rio aparecem apontados no 2º Ofício de Protesto.

R.S.V.P.
Nada menos de 400 petistas têm reservas, a partir de 1º de janeiro, no luxuoso hotel da Academia de Tênis de Brasília. Sem previsão da data de saída.

BOLA DA VEZ
Está com os dias contados o voto obrigatório. A emenda constitucional que o torna facultativo já passou por todas as comissões do Congresso e está pronta para ser votada em plenário.

BOA CAUSA
O comodoro do Iate Clube Jardim Guanabara, vereador José Moraes, promoverá um evento, domingo, a partir das 14 horas, reunindo artistas, jogadores e modelos no clube da Ilha do Governador. O objetivo é angariar fundos para o tratamento do ator global Gerson Brener, que está tetraplégico e sairá de casa, pela primeira vez, para assistir ao convescote.

SUPERFATURADO
Precavido, o Itamaraty comprou 100 guarda-chuvas para o caso de chover no dia da posse do presidente Lula da Silva. Cada um custou R$ 42.

No Rio, os camelôs vendem por R$ 5.

LUTO FECHADO
As viúvas de FHC transformaram-se em informantes da viúva-chefe. Daí porque não conseguem trânsito junto aos altos líderes do PT. Todos temem que outros, e não apenas Pedro Parente, fiquem sabendo dos passos petistas.

ENFIM, JUNTOS
Depois de 53 anos de vida em comum e uma prole de 14 filhos, os equatorianos José Domingo Olaya, de 103 anos, e Melchora Vergara, de 76, casaram-se neste fim de semana na Província de Los Rios, rodeados de filhos, netos e bisnetos. O noivo, que dificilmente articula palavras, surpreendeu Vergara com a proposta matrimonial depois de 48 netos e 22 bisnetos.

– Nunca sonhei, mas agora a sorte foi casar-me assim como estou – disse ela sorridente, vestida de noiva, à televisão Teleamazonas.

Inconfidências

>> O restaurante Blason – criação de Carlos Alberto Serpa com os irmãos Alain e Dominique Raymond, do Champs Elysées – inicia atividades amanhã, propondo-se a unir arte, música, beleza e boa mesa.

>> Ronaldo, do Real Madrid, recebeu ontem a Bola de Ouro de 2002 da revista France Football, tornando-se o primeiro jogador não europeu a conquistá-la duas vezes – a primeira, em 1997, quando jogava pela Inter de Milão.

>> Sean Connery atuará no novo filme de “Indiana Jones”. Steven Spielberg disse que o ator interpretará, mais uma vez, o pai do aventureiro vivido por Harrison Ford