Pelo menos 80 mil emigrantes foram sequestrados no México nos últimos 4 anos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 19 de abril de 2012 as 14:48, por: cdb

Legisladores, representantes de organizações defensoras de direitoshumanos, associações sociais e de emigrantes participaram do fórum ‘BalançoLegislativo em matéria de Direitos Humanos e Migração Avanços e Desafios’.

O especialista mexicano em assuntos de migração, Mauricio Farah,denunciou nesta quinta-feira que um total de 80 mil emigrantes que cruzam peloterritório nacional foram sequestrados e assassinados nos últimos quatro anospelas mãos do crime organizado e de autoridades locais.

Afirmou que ante o que qualifica como “crise humanitária”, os candidatospresidenciais para as próximas eleições de 1º de julho não levam em conta “ohorror e o sofrimento em que o México se converteu para os migrantes”.

Farah reforçou que esta situação se intensifica pela falta de vontadepolítica para resolver o grave problema, “não temos visto na agenda dospartidos políticos um espaço para defender essas pessoas que são vítimas desequestro e violações”.

Durante sua participação no fórum ‘Balanço Legislativo em matéria deDireitos Humanos e Migração Avanços e Desafios’, afirmou que ser emigrante ésinônimo de presa, não só para os criminosos, mas também para autoridades queabusam deles ou que estão vinculadas com a delinquência.

O especialista destacou que em 2004 morreram 134 migrantes mexicanos nazona fronteiriça sul dos Estados Unidos, cifra que cresceu nos anos seguintesaté alcançar uma média de mais de 400 por ano.

“A cifra de mais de seis mil mortos na fronteira nos últimos anos nãoinquietou nem o México nem os Estados Unidos. A morte por gotejamento não dóinem causa indignação às esferas oficiais”, sentenciou em seu discurso.

Por sua vez, o vice-presidente da Mesa Diretora do Senado do México, SilvanoAureoles, ressaltou a urgência para que o governo avance na consolidação de umapolítica migratória, que permita garantir o respeito aos direitos humanos.

O bispo de Saltillo (sudeste), Raúl Vera, disse que a cada seis meses ocrime organizado obtém pelo menos 25 milhões de dólares como produto dasextorsões a mexicanos e estrangeiros que tratam de cruzar a fronteiraestadunidense.

No fórum organizado pelo Senado participaram representantes das organizaçõesdefensoras dos direitos humanos, associações sociais e de emigrantes.

A notícia é da TeleSUR