Pellegrino diz que participação de ACM no grampo telefônico é evidente

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 13 de março de 2003 as 15:03, por: cdb

O líder do PT da Câmara dos Deputados, Nelson Pellegrino (BA), disse nesta quinta-feira, em depoimento ao delegado da Polícia Federal Josival Gomes, que preside o inquérito sobre a instalação de grampos ilegais em telefones de políticos baianos, que, para ele, é evidente a participação do senador Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA) no caso. “Eu não tenho dúvida nenhuma de que o senador participou do esquema e disse isso ao delegado”, afirmou o líder.

Nelson Pellegrino disse que foi informado pelo presidente do Sindicato dos Policiais Civis da Bahia, Crispiniano Dalto, de que o telefone dele, de políticos de oposição, e até mesmo do que os apoiavam o governo baiano, estariam grampeados.

O deputado relatou um acidente de carro que sofreu na madrugada do dia 7 de abril e que foi noticiado pelo “Jornal da Família”, do senador Antônio Carlos Magalhães, no mesmo dia. Pelegrino afirmou que o jornal não poderia saber do acidente, a não ser pela escuta telefônica ilegal.

Outro fato apontado pelo líder do PT foi um dossiê contra o deputado Geddel Viera Lima (PMDB-BA) que Magalhães teria apresentado ao deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ) com informações que, segundo ele, foram obtidas por meio de escuta ilegal.

O delegado Josival Gomes disse que só poderá afirmar quem foi o autor dos grampos ilegais após a conclusão do inquérito. Serão ouvidas mais 20 pessoas, entre elas, o senador Antônio Carlos Magalhães.