PCC planeja matar José Rainha, diz Alkmin

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 6 de setembro de 2003 as 15:01, por: cdb

Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin disse que agiu movido pela cautela, ao determinar a transferência dos líderes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), José Rainha e Felinto Procópio dos Santos, o Mineirinho, da penitenciária de Presidente Venceslau para o presídio de segurança máxima de Presidente Bernandes. O PCC (Primeiro Comando da Capital) teria um plano para matar os dois líderes do movimento.

De acordo com Alckmin, o governo agiu não movido “por um fato, mas apenas por uma informação”, já que o governo ainda apura a veracidade do plano do PCC. O governador admitiu que a transferência também foi decidida em função de um pedido do ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos.

Sobre a reativação do PCC no Estado, depois de um período de calmaria, o governador disse que “sempre vai ter esse enfrentamento”. “Quanto mais firme for o governo do Estado, maior será a reação”, disse Alckmin, ao sair de um encontro do PFL paulista. Ao ser indagado sobre a ameaça de sequestro do padre Marcelo Rossi, que também seria do PCC, Alckmin minimizou o fato. “Se fosse para ligar para cartinha, eu não sairia de casa”, disse, referindo-se à carta enviada ao padre.

Segundo o governador, ele recebe semanalmente ameaças. “É natural que isso ocorra”, desconversou, explicando que o governo paulista reforça a segurança das pessoas que estão ou são mais expostas por ameaças de possíveis crimes.