Paysandu fica no empate sem gols com o Cerro Porteño

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 6 de março de 2003 as 20:37, por: cdb

Na sua segunda partida na Copa Libertadores da América, o Paysandu ficou no empate sem gols com o Cerro Porteño, do Paraguai. Com esse resultado, as duas equipes dividem a liderança do grupo 2, com quatro pontos. Os outros dois clubes que completam o grupo são o Universidad Católica, do Chile, e os peruanos do Sporting Cristal.

O treinador Darío Pereyra escalou o time paraense com uma formação mais ofenviva que na estréia da competição, quando o Paysandu foi ao Peru e venceu o Sporting Cristal por 2 a 0.

Empurrado por cerca de 60 mil espectadores que superlotaram o estádio Mangueirão, o time paraense partiu para cima do adversário nos primeiros minutos, mas não conseguia chutar no gol paraguaio.

Na primeira chance de finalização, o Paysandu balançou o travessão do goleiro Velazquez, depois que o atacante Róbson aproveitou bom cruzamento do lateral Rodrigo pela direita e cabeceou com precisão.

O lance acordou o Cerro, que passou a arriscar mais o ataque para não ser sufocado pelo time bicolor. O time paraguaio apostava todas as fichas no trio ofensivo formado pelo meia Salcedo e pelos atacantes Héctor Nuñez e Dante Lopez.

Mesmo assim, quem levou perigo novamente foram os brasileiros. Aos 29min, o meia Iarley bateu forte de fora da área e o goleiro Velazquez espalmou para escanteio.

O primeiro chute a gol do Cerro Porteño aconteceu somente aos 33min, quando o volante Jorge Nuñez cobrou falta no canto baixo esquerdo de Ronaldo, que espalmou para fora.

No minuto seguinte, o volante Jobson respondeu com outro lance de bola parada. Ele bateu falta com muita força e o goleiro paraguaio fez outra importante defesa.

Quando o Paysandu começava a dar sinais de que pressionaria o adversário, aos 41min, uma parte dos refletores do Mangueirão se apagou e a partida ficou paralisada por mais de dez minutos.

Quando a bola voltou a rolar, Iarley fez linda jogada pela esquerda e cruzou para o zagueiro Caballero afastar uma bola que tinha endereço certo na cabeça de Robson.

Os brasileiros voltaram do intervalo com uma alteração. O uruguaio Darío Pereyra sacou o atacante Zé Augusto e colocou Balão, que atuou como titular na estréia, no seu lugar.

A segunda etapa começou em um ritmo mais lento e o Paysandu só conseguiu chegar ao ataque pela primeira vez aos 11min, quando Jorginho aproveitou a sobra de um escanteio e, ao dividir com um zagueiro, mandou a bola rente à trave esquerda dos paraguaios quando o goleiro estava fora do gol.

A resposta do Cerro aconteceu quatro minutos mais tarde, quando o garoto Dante Lopez, que pertence à seleção sub-20 do Paraguai, fez grande jogada individual e bateu à esqeurda do gol paraense.

O Paysandu teve várias oportunidades de abrir o placar numa seqüência incrível de escanteios em que a zaga adversária afastou as bolas, quase todas com direção a Robgol, como pôde.

Atrás do gol, o time paraense fez mais uma substituição ao colocar o jovem meia-atacante Vélber no lugar de Jóbson, que esteve muito apagado na partida. O treinador Carlos Baez aproveitou e colocou Ávalos no lugar do atacante Héctor Nuñez.

O time paraguaio quase conseguiu o gol da vitória aos 34min, quando o meia Salcedo cobrou falta com extrema força e o goleiro Ronaldo precisou espalmar.

O Paysandu ainda forçou o ataque nos minutos finais, mas o setor defensivo visitante se defendeu como pôde e conseguiu levar um ponto na bagagem para o Paraguai.

PAYSANDU 0X0 CERRO PORTEÑO

Data: 06/03/2003 (quinta)
Local: estádio Mangueirão, em Belém
Arbitragem: Luis Solórzano (VEN)
Auxiliares: Edison Ibarra (VEN) e Rafael Yanes (VEN)
Cartões amarelos: Pacheco, Salcedo, Caballero, Ortiz (CP), Rodrigo (P)

Ronaldo; Rodrigo, Sérgio, Jorginho e Denis (Luís Fernando); Sandro, Jóbson (Vélber), Iarley e Vanderson; Robson e Zé Augusto (Balão)
Técnico: Darío Pereyra

Cerro Porteño
Velasquez; Pacheco, Ortiz, Caballero e Barreto; Inca, Jorge Nuñez, Aquino (Damascono) e Salcedo; Dante López (Achucarro) e Héctor Nu