Parreira muda discurso e admite insatisfação com Seleção

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 24 de novembro de 2003 as 23:06, por: cdb

Cinco dias depois do empate por 3 a 3 com o Uruguai, o técnico Carlos Alberto Parreira mudou seu discurso e admitiu que está insatisfeito com o desempenho da Seleção Brasileira nos primeiros jogos das Eliminatórias. “No último jogo não fiquei satisfeito. Nos outros, o desempenho foi razoável”, afirmou, em entrevista ao Sportv.

Logo após o duelo com a Celeste, o treinador creditava os gols uruguaios à sorte. “O sistema defensivo, de forma geral, funcionou. Os gols deles saíram por pura sorte. Estávamos com o jogo na mão.”

Mas apesar de reclamar dos zagueiros, Parreira tem a justificativa. “Houve muitas mudanças. Jogamos com um volante só, que é o Gilberto Silva, e mesmo assim ele não é aquele que não sai para o ataque. Mesmo com Renato e Zé Roberto em campo, só tínhamos um volante.”

A terceira posição, com oito pontos, não é o que ele esperava. “O discurso do técnico da Seleção não pode ser outro que não os 100% de aproveitamento. Poderia estar melhor.”
Parreira também explica os três gols uruguaios afirmando que o Brasil joga de maneira ofensiva, com três atacantes.

“É o risco de jogar com três atacantes. Dois laterais que saem, dois meias que encostam”. Mas admite escalar apenas dois jogadores na frente, no futuro. “Pode ser que a gente chegue a este momento.

O comandante brasileiro fez críticas e elogios às Eliminatórias. Segundo ele, o lado bom é ter o time definido e entrosado antes da Copa do Mundo. “Você termina as Eliminatórias sabendo quais serão os 22 jogadores.” Porém, fez sua ressalva. “Mas desgasta muito o treinador e os jogadores.” Estou tentando aproveitar as características dos nossos jogadores.