Parreira fala sobre Kaká, Rivaldo e futuro da Seleção

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 11 de setembro de 2003 as 03:58, por: cdb

Na entrevista coletiva após a partida, o técnico Carlos Alberto Parreira classificou como boa a atuação da seleção brasileira, disse que não ouviu quase nenhuma vaia da torcida e afirmou que está próximo o momento de Kaká assumir a posição de titular.
Leia os principais trechos da entrevista:

Análise do jogo:

– Foi muito importante ter começado bem. Somos o único time que conseguiu os seis pontos. Temos que lembrar que o nosso time não estava na melhor forma física, enfrentou um calor de 43 graus em Barranquilla, e que em Manaus estava quase 40 graus. Pegamos um adversário que estava marcando certinho, com uma boa pegada. Dentro das dificuldades que já sabíamos que iríamos enfrentar, foi muito bom. Quase não ouvi vaias. Foi uma atuação boa. Ficamos com a posse de bola até o final e o jogo não se tornou dramático por causa da nossa aplicação.

Falta de criatividade:

– Não é questão de falar que a nossa equipe não jogou bem. A gente não joga sozinho em campo. Contra a Colômbia, eles entraram para jogar bola e deram espaço para a gente. Hoje, o adversário estava muito fechado, o técnico deles tirou um atacante e deixou nove marcando e nós tivemos que manter a posse de bola. Arriscamos algumas bolas por cima. Umas deram certo, outras não. Da próxima vez, temos que tentar tocar a bola mais rápido.

Início das Eliminatórias:

– Temos que lembrar que a maioria dos nossos jogadores acabou de começar a temporada na Europa. A maioria deles jogou apenas uma partida na Espanha e na Itália. E não tivemos tempo para treinar. Foram apenas três dias de treinamento na Granja Comary.

Kaká titular ?

– Sobre as substituições, não é questão de os outros jogadores estarem mal em campo. É que estava muito calor e eles acabaram renovando o ritmo do jogo. O Kaká e o Renato entraram fresquinhos no jogo. Sobre o Kaká ser titular, acho que isso é um processo que tem que acontecer aos poucos. Ele vai ser um grande jogador e eu digo isso desde quando ele começou no São Paulo. Ele virar titular é um processo que eu nem digo que vai levar algum tempo. Está próximo esse momento.

Rivaldo:

– Não dá para dizer que ele não se esforçou nas duas partidas. A seleção ainda precisa da experiência dele em campo.

Futuro:

– O próximo jogo é só em novembro, mas a base será mantida. Não é o momento de ficar mudando tudo a cada partida. Temos que formar um time e ganhar opções. A renovação está sendo feita. Alex, Kaká e Renato já estão aí jogando. Já é uma pequena renovação.