Parmalat pede concordata após fraudes

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 23 de dezembro de 2003 as 20:57, por: cdb

O conselho diretor da Parmalat decidiu nesta terça-feira pedir concordata após a descoberta de fraudes na contabilidade da empresa. Também nesta terça, o governo italiano aprovou medidas emergenciais para pressionar a empresa a decretar a concordata.

O ministro da Agricultura, Gianni Alemanno, disse que o ministério das Indústrias nomeou o atual executivo-chefe da Parmalat, Enrico Bondi, como comissário especial para a empresa no processo.

Na última sexta-feira, o grupo, que já enfrenta dívida de ? 6 bilhões, revelou que uma conta que supostamente continha ? 3,5 bilhões não existe. Consultores e autoridades judiciais estão tentando descobrir onde essa quantia foi parar.

A decisão de pedir concordata apareceu como saída possível após promotores de Milão terem promovido uma investigação de fraude, questionando o ex-principal executivo de finanças, Fausto Tonna.

Além do tamanho do rombo, os magistrados estão tentando descobrir se a Parmalat realmente recomprou títulos de ? 2,9 bilhões, como afirma ter feito. Se esses bônus não foram recomprados, a dívida da Parmalat será de ? 8,9 bilhões.