Parlamento do Japão elege novo primeiro-ministro, o sexto do país em cinco anos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 30 de agosto de 2011 as 04:24, por: cdb

Renata Giraldi*
Repórter da Agência Brasil

Brasília – O Parlamento do Japão elegeu hoje (30) o novo primeiro-ministro, Yoshihiko Noda, de 54 anos. Ele é o sexto primeiro-ministro do país em cinco anos. Ex-ministro das Finanças, Noda  é considerado pragmático e tem sido um crítico em relação à falta de coragem dos políticos devido às dificuldades econômicas causadas pelo terremoto seguido por tsunami, em 11 de março.

“Sou um homem comum. Não tenho grandes recursos financeiros, ao contrário de outros políticos. Não sou elegante e o meu físico não é o meu melhor atributo”, disse Noda. “As crises são momentos em que os líderes devem se revelar. Infelizmente, no Japão até agora isso não ocorreu. A maior parte do tempo o país foi dirigido por fracos”, acrescentou.

Noda foi nomeado ministro das Finanças em 2010 no governo de centro-esquerda liderado por Naoto Kan – que renunciou ao cargo de primeiro-ministro na semana passada depois de ser alvo de críticas por causa da demora em tomar decisões quando houve o terremoto no país.

Segundo Noda, a falta de ação no Japão é efeito do sistema político como um todo. “Não é um problema apenas de indivíduos, mas de sistema político”, disse. “O que esperamos dos políticos é que enfrentem a realidade e não fujam às dificuldades, não adiem as decisões. Essa atitude permitirá ao Japão ultrapassar a situação”.

O novo primeiro-ministro terá pela frente desafios como a reconstrução do Japão, destruído em parte pelos impactos do terremoto seguido pelo tsunami. Outro desafio é reavaliar a questão da energia nuclear no país, após os vazamentos e explosões da Usina Nuclear de Fukushima Daiichi, e todas as consequências econômicas dos desastres naturais.

Yoshihiko Noda é o sexto primeiro-ministro do Japão nos últimos cinco anos, depois de Shinzo Abe (2006-2007), Yasuo Fukuda (2007-2008), Taro Aso (2008-2009), Yukio Hatoyama (2009-2010) e Naoto Kan (2010-2011).

*Com informações das agências públicas de notícias do Japão, NHK, e de Portugal, Lusa.//Edição: Graça Adjuto