Parlamentares falam sobre prisão do tesoureiro do PT

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 15 de abril de 2015 as 12:58, por: cdb
PT
Para o deputado Antônio Imbassahy, a prisão de João Vaccari Neto deixa o PT em situação constrangedora

O 1º vice-presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras, deputado Antônio Imbassahy (PSDB-BA), disse, nesta quarta-feira, que a prisão do tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, deixa os petistas em situação constrangedora. Vaccari foi preso pela Polícia Federal nesta manhã, na casa dele em São Paulo.

Imbassahy disse que não se surpreendeu com a prisão. Ele lembrou que, quando o tesoureiro esteve na CPI, na semana passada, já havia muitas acusações contra ele.

– O próprio Pedro Barusco , que esteve na CPI, que eu detalhes de encontros do tesoureiro em hotéis para dividir propina, o doleiro Alberto Youssef também falou nisso, o empresário Eduardo Leite – disse Imbassahy.

O deputado do PSDB lembrou ainda que, quando Vaccari depôs na CPI, ficaram muitas dúvidas sobre as respostas dele aos questionamentos dos parlamentares. Para Antônio Imbassahy, o episódio é lamentável para o PT, mas caberá ao partido decidir se vai afastá-lo da tesouraria da sigla.

O deputado André Moura (PSC-SE), sub-relator da CPI, disse que a prisão de Vaccari foi prudente.

– [Ele] tem ligações direta com todas as empreiteiras que estão sendo investigadas na Operação Lava Jato. Talvez, agora, em Curitiba, no depoimento que ele vai prestar ele tome juízo, aceite a delação premiada e diga a verdade – observou.

Já o deputado Paulo Pimenta (PT-RS) se surpreendeu com a prisão de Vaccari.

– Pelas informações que nós temos o tesoureiro do nosso partido nunca se negou a prestar qualquer depoimento nem não oferece qualquer tipo de risco para o trabalho de investigação que vem sendo desenvolvido pelo Poder Judiciário – disse.

Pimenta cobrou ações coerentes do Ministério Público e do Judiciário. Segundo ele, o esquema que supostamente beneficiou o PT é o mesmo usado por outros partidos, como PSDB e DEM. Por essa razão, continua Pimenta, não é possível dizer que o PT recebeu propina e os outros partidos receberam doações legais.

O deputado petista defende o afastamento do tesoureiro do partido e diz que o tema deve ser tratado em reunião do diretório nacional ainda nesta semana.