Paraguaios questionam segurança de urnas eletrônicas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 14 de abril de 2003 as 09:49, por: cdb

As urnas eletrônicas que o Brasil exportou para o Paraguai foram postas em chegue. O Partido Colorado questionou a segurança delas. Disse até que há “uma conspiração internacional” para fraudar o resultado.

Os Colorados, tradicional partido do ditador Alfredo Strossener, preferem o sistema manual de votação. Funcionários da Justiça Eleitoral percorrem os bairros para ensinar os paraguaios a votar na urna eletrônica. Metade dos 2 milhões e 400 mil eleitores vai utilizar a urna para escolher o novo presidente, governadores, senadores e deputados.

No país onde produtos falsificados são vendidos livremente nas ruas, um dos partidos que disputam as eleições resolveu pôr em dúvida a qualidade da urna eletrônica brasileira. O Partido Colorado, o maior e mais tradicional do Paraguai, se diz preocupado com a possibilidade de fraude. O responsável pela campanha do partido na região de Cidade do Leste reclama que a justiça eleitoral não mostrou os programas utilizados pela urna, o que levantaria suspeitas.

O juiz eleitoral diz que as informações disponíveis sobre as urnas já foram repassadas ao partido. Ele não acredita em fraude e afirma que o sistema eletrônico vai trazer mais transparência e segurança para as eleições.

As eleições no Paraguai, que acontecem no próximo dia 27, serão acompanhadas pela OEA e pela Justiça Eleitoral brasileira. Os partidos Colorado e Liberal disputam a presidência e estão quase empatados nas pesquisas.