Para sindicato, setor de tecnologia da informação no Rio passa por período de estagnação

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 26 de setembro de 2011 as 03:46, por: cdb

Alana Gandra
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro – O setor de tecnologia  da informação (TI) fluminense está em processo de estagnação, disse o presidente do Sindicato das Empresas de Informática do Estado do Rio de Janeiro (Seprorj), Benito Paret. Para ele, problemas de política fiscal são responsáveis por essa estagnação.

Paret é o coordenador do 9º Encontro Nacional de Tecnologia e Negócios (Rio Info 2011), que começa amanhã (27) no Rio. Ele avaliou que o evento é importante, “mas não é suficiente” para reverter o quadro.

“O fato de não termos tido uma política de fortalecimento e de atração de novas empresas acaba estagnando o próprio mercado”, disse o coordenador. Ele acrescentou que a única políticafiscal que estava definida era a redução do Imposto sobre Serviços (ISS) de 5% para 2%, para que o Rio ficasse no mesmo nível de outros concorrentes. “Mas, isso não aconteceu. O projeto está parado”.

Outro projeto que iria estimular o setor no estado era a criação de uma agência de desenvolvimento, ou fundação de apoio, específica. “Isso também não tem andado”, assegurou Paret. “Se não houver uma reação, a gente vai passar por tempos de muita limitação”. Por isso, explicou, não há condições de fazer uma estimativa de faturamento do setor no Rio este ano.

As entidades de TI do estado, que vinham conseguindo manter nos úiltimos anos crescimento equivalente ao dobro do Produto Interno Bruto (PIB) –  a soma dos bens e serviços produzidos no país – dificilmente repetirão esse desempenho, considerou Paret. Ele informou que muitas empresas operam e têm crescido no Rio, mas têm suas sedes em outros estados. As notas fiscais, acrescentou, observam o local de origem das empresas, o que significa menos faturamento e menos crescimento para o Rio.

Uma série de ações de capacitação e de aumento da qualidade dos produtos e serviços contribuiu, ao lado do Rio Info,  para “dar uma segurada” na situação que se observava há nove anos, disse o presidente do Seprorj. Hoje, o Rio está no foco de muitos eventos internacionais. Isso atrai empresas de todo o país e do exterior para participar do Rio Info, o que consolida o evento entre os maiores do setor nacional.

Paret acredita que a realização de eventos como a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016 vai ajudar no crescimento do mercado de TI. “Se a gente conseguir uma boa articulação para que o legado dessas atividades seja favorável às empresas do setor, acho que vai ser muito importante”. Por enquanto, observou que os eventos esportivos já vêm “carimbados” do exterior. “Pouco sobra. O que sobra é o que tem menos valor agregado internamente”.

Ele confia, entretanto, que outros fatores, entre eles a exploração do petróleo no pré-sal, a entrada em operação do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) e a revitalização da indústria naval, representam oportunidades para a área.

Durante o Rio Info, que se estenderá até o dia 29, serão discutidos temas de interesse para ampliar a competitividade da TI nacional, entre eles o petróleo, a radiodifusão e a defesa nacional. Nessa última área, particularmente, Benito Paret salientou que há muitos softwares (programas de computador) envolvidos.

Edição: Graça Adjuto