Para PTB, Greenhalgh só é viável se Virgílio desistir

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 6 de janeiro de 2005 as 16:52, por: cdb

Para garantir a vitória de Luiz Eduardo Greenhalgh (PT-SP) à presidência da Câmara, o governo deve endurecer as pressões sobre o também petista Virgílio Guimarães (MG), para que abandone definitivamente o projeto de uma candidatura avulsa. A avaliação foi feita nesta quinta-feira pelo presidente do PTB, deputado Roberto Jefferson (RJ).

– O importante é que o PT retire essa candidatura do deputado Virgílio Guimarães, que é o candidato do afeto e do coração. O outro é da lógica regimental e da disciplina partidária – afirmou Jefferson a jornalistas ao chegar no Palácio do Planalto para um encontro com o ministro da Coordenação Política, Aldo Rebelo.

Este é o terceiro dia seguido que o deputado trabalhista participa de uma reunião no Palácio do Planalto num momento em que a base aliada demonstra racha em relação à escolha de Greenhalgh. Jefferson esteve por duas vezes com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e uma vez com Aldo, na quarta-feira.

O presidente do PTB garantiu que trabalhará dentro de seu partido para criar um consenso em torno do nome de Greenhalgh, mas criticou o PT por ter indicado um deputado sem relação com outros parlamentares.

– Houve um erro de articulação, porque o presidente da Câmara não é só do PT, é da base aliada e de toda a Câmara. Era muito mais fácil o Virgílio Guimarães ou o (líder do PT, Arlindo) Chinaglia – reconheceu.

Segundo Jefferson, o deputado mineiro tem uma postura mais próxima nas relações pessoais com outros parlamentares e no dia-a-dia da Câmara.

– O Greenhalgh é um homem honrado, correto, sério, mas não dá bom dia, boa tarde. Ele tem essas deficiências, não tem traquejo social, precisa consertar isso – sugeriu o presidente trabalhista.

– Esse é um problema que o PT vai ter que resolver.

Além disso, o nome de Greenhalgh sofre resistência por suas relações com grupos de direitos humanos e com o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST).

Para tentar demonstrar ao governo que a candidatura de Virgílio é a única viável, o grupo autodenominado “Câmara Forte”, favorável ao petista mineiro, encomendou ao instituto Sensus uma pesquisa de intenções de voto à presidência da casa. O movimento é encabeçado por deputados do PL e do PTB.

Por tradição, a escolha da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados é feita a partir do tamanho da bancada de cada partida. Como o PT tem o maior número de deputados, cabe a ele indicar o sucessor de João Paulo Cunha (SP).

Sobre reforma ministerial, Jefferson afirmou que o partido está contente com a pasta de Turismo (chefiada por Walfrido dos Mares Guia) e que não reivindica outro ministério.

Ele disse ainda que o ministro da Integração Nacional, Ciro Gomes, não deve se filiar ao PTB, apesar de seu partido, o PPS, ter rompido com o governo federal.