Para Marta Suplicy carnaval de SP já pode concorrer com o do RJ

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 10 de setembro de 2003 as 02:49, por: cdb

Gastronomia, revoluções, marcos da cidade. Estes serão alguns dos assuntos desenvolvidos pelas escolas de samba paulistas na homenagem aos 450 anos da cidade no Carnaval 2004.

Com tema único para o ano que vem, Os 450 anos de São Paulo, as escolas de samba da cidade pela primeira vez mostraram antes de entrar na avenida seus principais carros alegóricos em maquetes, numa exposição aberta nesta terça-feira.

– Nunca foi colocada tanta energia em um Carnaval. A criatividade realmente explodiu – disse a prefeita Marta Suplicy na inauguração do evento.

– O Carnaval de São Paulo já pode concorrer com o do Rio de Janeiro – acrescentou ela, apimentando a disputa entre as duas cidades.

Com um carro cheio de frutas e legumes, simbolizando a Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo), o terceiro maior centro de comercialização de perecíveis do mundo, a Acadêmicos do Tucuruvi abordará o tema da fome.

A escola acredita que São Paulo, a ‘locomotiva do país’, pode reverter a situação de miséria do Brasil.

Já num clima mais leve, a X-9 Paulistana falará sobre a hospitalidade gastronômica de São Paulo, herança da miscigenação de brancos, índios e negros, que contribuiu para que a cidade fosse um dos centros mundiais da gastronomia.

Passando pela noite paulistana, a Leandro de Itaquera trará em um de seus carros uma réplica do famoso Bar Brahma, junto com um grande marciano no alto do carro, numa homenagem à música ‘Alô, alô marciano’, de Rita Lee, além das famosas gaiolas da boate gay Massivo.

A escola de samba Império da Casa Verde chegou a criar uma nova mitologia para homenagear a cidade: a Greco-Paulistana, misturando a saga de São Paulo com conhecidas figuras gregas.

Prometeu Acorrentado, que na mitologia grega roubou fogo dos deuses e teve como castigo ter seu fígado comido aos poucos por aves, é a representação da família Matarazzo. Pioneira na industrialização da cidade, ela foi à falência lentamente, tendo suas fábricas sendo ‘comidas’ pelos impostos.

A Rosas de Ouro, que contará os 450 anos de São Paulo através de seus monumentos, como o Monumento à Bandeira, não esqueceu da religiosidade presente na vida dos paulistanos e apresentará a primeira missa rezada na fundação da cidade.

A cultura de São Paulo, que revelou Mário de Andrade e Tarsila do Amaral na Semana de Arte Moderna de 22 e levou ‘a arte da elite para o povo’ com a criação da Bienal de Arte, será tema da escola de samba Nenê de Vila Matilde, que trará em um de seus carros a famosa obra de Tarsila, o Abaporu.

Já a Gaviões da Fiel contará a história de São Paulo através das revoluções políticas, terminando na ‘revolução esportiva’, com a chegada do futebol à cidade, a fundação do Corinthians e a criação de sua torcida, a Gaviões da Fiel.