Para a surpresa de todos, Parreira dá entrevista em Manaus

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 8 de setembro de 2003 as 23:15, por: cdb

O técnico Carlos Alberto Parreira surpreendeu na noite desta segunda-feira, ao conceder uma não programada entrevista coletiva na concentração da seleção, em Manaus. O treinador se irritou ao ser perguntado se o futebol alegre e o eficiente poderiam andar juntos.

“Eu não sei o que é futebol alegre, se você souber, me oriente”, disse Parreira para o jornalista que fez a pergunta. “Eu sei o que é futebol de resultados, bem jogado, mas alegre eu não sei”, completou.

Mais tarde, quando o jornalista mudou o termo para ‘arte’, ao invés de ‘alegre’, Parreira respondeu. “Você só joga futebol arte com a bola. Só dá para impor a qualidade técnica com a bola, e para ter a bola tem que ter mecanismos para tomar a bola”, explicou.

Parreira falou ainda que a marcação sobre os adversários tem que começar já no campo de ataque, pelos jogadores de frente, como Ronaldo e Rivaldo. “Se puder marcar, diminuir os espaços e tomar a bola, perfeito”.

Sobre o jogo de quarta, contra o Equador, o técnico espera dificuldades. “Nós vamos ter que tomar a iniciativa do jogo contra uma equipe experiente, que vai jogar na retranca”, falou. “Não pode querer ganhar o jogo na raça, ir para frente com tudo e tomar um gol no contra-ataque, o que pode perfeitamente acontecer se o time entrar desconcentrado”, alertou.

A volta de Ronaldinho pode ajudar a passar pelo esperado esquema fechado dos equatorianos. “Ele tem muita criatividade, pode fazer um grande jogada, deixar um companheiro na cada do gol em um pequeno espaço de campo. A habilidade dele pode fazer a diferença”.

O campo de estádio Vivaldão, local do confronto, também foi elogiado. “Felizmente o campo está ótimo. Ele é grande, dá para jogar pelo lado e fazer a bola correr”, falou o treinador, embora ele não espere um jogo veloz. “Velocidade só é possível se o adversário der espaço e nós não vamos ter esse espaço”.

Parreira não acredita que a entrada de Ronaldinho vá enfraquecer o lado esquerdo, responsável pelos dois gols na vitória sobre a Colômbia. “Nós temos o Rivaldo que joga por ali, tanto que o Alex jogou mais pelo lado direito”.