Para a polícia `Linho´ ainda está vivo em São Paulo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 30 de maio de 2003 as 03:07, por: cdb

Polícia acredita que “Linho” está vivo e em SP

O Serviço de Inteligência da Polícia Civil do Rio acredita que o traficante Paulo César da Silva Santos, o Linho, criminoso mais procurado pelo governo fluminense, está vivo e escondido no Estado de São Paulo, onde mantém esquema de lavagem de dinheiro e gerencia uma rede internacional de tráfico.

A inspetora Marina Magessi, coordenadora do Departamento de Inteligência do Rio, disse que Linho usa o Porto de Santos, na Baixada Santista, para remeter cocaína para Estados Unidos, Caribe e Europa. Segundo ela, só nos morros fluminenses, ele distribui 500 quilos por mês.

O delegado Pascoal Ditura, do Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc), de São Paulo, que identificou cinco imóveis da quadrilha de Linho no Estado, tem informações de que Linho e seu sócio, Ubiratan Silva de Oliveira, o Bira, teriam sido assassinados. Mas não acredita nisso.

A mulher de Bira, Vanise Pereira do Nascimento, disse à polícia do Rio que seu marido foi assassinado em 9 de fevereiro por Ronaldo Ferreira do Nascimento (já preso) a mando de Linho.

Para Marina, uma das evidências de que Linho está vivo e dirigindo o Terceiro Comando, Amigos dos Amigos (TC/ADA) é a existência de uma guerra nos morros da zona norte entre os membros da facção e os associados do Terceiro Comando Puro (TCP).

– Desde que houve um racha na facção, os traficantes estão se matando em disputa por domínio do mercado. O Facão (Nei da Conceição Cruz), que era aliado de Linho, agora é seu principal rival e lidera o TCP – explica Marina.

Agora a polícia paulista está à caça de um imóvel em São Bernardo (Grande ABC), onde Linho moraria.

O traficante e seu sócio teriam migrado para São Paulo em 1999. Os policiais já localizaram em Santo André, a residência de Bira, que servia de escritório à quadrilha.

A casa, comprada no início de 2001, tem sauna, piscina e um cômodo subterrâneo, com passagem secreta na sala de ginástica. O cômodo secreto, segundo Ditura, seria usado como escritório e esconderijo de drogas.