Paquistão alerta aos EUA: “Vocês vão perder um aliado”

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 23 de setembro de 2011 as 18:08, por: cdb

Paquistão alerta aos EUA: “Vocês vão perder um aliado”

Por Qasim Nauman e Missy Ryan

ISLAMABAD/WASHINGTON (Reuters) – O Paquistão alertou os EUA de que sua aliança pode ser rompida se Washington continuar acusando Islamabad de fazer jogo duplo na guerra contra os militantes islâmicos, em declarações que agravam a crise nas relações entre os dois países.

A chanceler paquistanesa, Hina Rabbani Khar, reagia a comentários feitos pelo chefe do Estado-Maior das Forças Armadas dos EUA, almirante Mike Mullen, segundo quem a principal agência paquistanesa de espionagem tem estreitas relações com a rede militante Haqqani, a facção mais violenta e ativa do Taliban no Afeganistão.

Foi a acusação mais séria lançada pelos EUA contra o Paquistão, única potência nuclear islâmica, em dez anos de aliança na “guerra ao terrorismo”.

“Vocês vão perder um aliado”, disse Khao numa entrevista à Geo TV, em Nova York, transmitida na sexta-feira.

“Vocês não podem se dar ao luxo de alienar o Paquistão, não podem se dar ao luxo de alienar o povo paquistanês. Se escolherem fazer isso (…), o custo será deles (EUA) próprios.”

A Casa Branca reiterou na sexta-feira seu apelo para que o Paquistão rompa relações com a rede Haqqani e elimine seus santuários na fronteira com o Afeganistão.

“É crucial que o governo do Paquistão rompa quaisquer relações que tenha, e tome ações fortes e imediatas contra essa rede, para que ela não seja mais uma ameaça aos Estados Unidos e ao povo do Paquistão, porque essa rede é uma ameaça a ambos”, disse o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney.

Em depoimento ao Senado na quinta-feira, Mullen acusou a inteligência militar paquistanesa de colaborar com um ataque de militantes da rede Haqqani contra a embaixada dos EUA em Cabul, na semana passada.

A acusação ocorre num momento de crescente exasperação de Washington, enquanto o governo Obama enfrenta dificuldades para reprimir a militância no Paquistão e encerrar a prolongada guerra no Afeganistão.

O chefe do Estado-Maior paquistanês, general Ashfaq Parvez Kayani, qualificou as declarações de Mullen com “muito infelizes e não baseadas em fatos”.

“Apontar o dedo para o Paquistão não é nem justo nem produtivo”, disse ele em nota divulgada na sexta-feira pelos militares.

A ação militar unilateral dos EUA que levou à morte de Osama bin Laden no território paquistanês, em maio, já havia abalado as relações entre os dois países. Elas estavam começando a se recuperar quando aconteceu o ataque em Cabul. Ambos os lados agora adotaram uma retórica excepcionalmente agressiva.

No Congresso dos EUA, cresce rapidamente a pressão para restringir ou condicionar a ajuda ao Paquistão.

Mas um rompimento total entre EUA e Paquistão – países eventualmente amigos, e muitas vezes adversários – parece improvável, no mínimo porque Washington precisa usar o território paquistanês para abastecer suas forças no Afeganistão, e como base para seus aviões militares não-tripulados.

O Paquistão, por sua vez, recebe ajuda militar e econômica dos EUA, e vê a aliança como garantia de estabilidade nas suas relações com a vizinha e rival Índia, que também possui armas nucleares.

Reuters