Papa expulsa da Igreja padre do Mato Grosso do Sul

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 17 de março de 2003 as 08:54, por: cdb

O papa João Paulo II ordenou a expulsão da Igreja Católica do padre Rooswelt Sá de Medeiros, que era pároco do município de Bonito, no Mato Grosso do Sul, pelo que o Vaticano considerou como “má conduta”. Medeiros é réu num processo por suposto envolvimento com o narcotráfico.

A comunicação foi feita no dia 19 do mês passado ao bispo diocesano de Jardim (município vizinho a Bonito), dom Bruno Pedron, que foi encarregado de informar ao ex-padre a sua expulsão. A portaria 116/03/S da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos diz que “o Papa decretou que seja cominada a pena de demissão do estado clerical com suprema e inapelável decisão”.

De acordo com dom Bruno, Medeiros “sempre foi uma pessoa problemática”. “Há quatro anos pedíamos um comportamento diferente dele”, declarou.

Dom Bruno disse que a situação do ex-padre era insustentável porque ele representava “um mau exemplo”, devido à acusação a ele atribuída. Em julho do ano passado, o ex-presidiário Gilson Pereira Padilha foi preso pela polícia dentro da casa do ex-padre portando cerca de 70 gramas de cocaína e maconha.

Segundo o delegado de Bonito, Fernando Lopes Nogueira, Padilha estava escondido debaixo da cama de Medeiros, nu. À época, o então padre admitiu que conhecia Nogueira, mas disse que não sabia que ele estava na sua casa.

Medeiros ficou preso por quatro meses. Segundo o delegado, o processo contra ele está na fase final, à espera da sentença.

De acordo com dom Bruno, não foi a primeira vez que o ex-padre sofreu punição. O envolvimento de Medeiros com a política já havia lhe rendido um afastamento da Igreja Católica, depois revisto. Ele fora prefeito do município de Bonito na década de 70, segundo informou o bispo.