PAPA É APLAUDIDO POR MAIS DE UM MINUTO NO PARLAMENTO ALEMÃO

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 22 de setembro de 2011 as 11:15, por: cdb

BERLIM, 22 SET (ANSA) – O papa Bento XVI foi aplaudido por cerca de um minuto e meio por parlamentares alemães que assistiram ao discurso do Pontífice hoje no Bundestag, em Berlim.
   
O pronunciamento do Papa no Parlamento alemão era aguardado devido às ameaças de boicote feitas por alguns deputados nos últimos dias.
   
Durante o discurso, Bento XVI foi aplaudido três vezes. Ao fim, os parlamentares presentes chegaram até a ficar em pé para saudar o Papa.
   
O Pontífice falou sobre os deveres das personalidades públicas, destacando que “servir o Direito e combater o domínio da injustiça é a tarefa fundamental do político”.
   
O Papa destacou que a “motivação” para ingressar na vida pública não deve ser o “sucesso” e nem os “bens materiais”, mas sim, a luta pela justiça e pela paz.
   
Bento XVI ainda comentou que as “ideias” sobre Direitos Humanos, igualdade, inviolabilidade da dignidade do homem e consciência das responsabilidades de cada ação têm sido elaboradas “com base na crença na existência de um Deus criador”.
   
Ele também alertou para as votações sobre temas que envolvem questões fundamentais do homem, como a dignidade. Segundo ele, nestes casos, obter apenas o apoio da maioria não é suficiente.
   
“Com base nesta convicção, combatentes agiram contra o regime nazista e contra outros regimes totalitários, fazendo, assim, um serviço ao Direito e à humanidade inteira”, disse o Papa.
   
“Para essas pessoas [os combatentes], era evidente, de modo incontestável, que o regime vigente, na realidade, era uma injustiça”, concluiu Bento XVI.
   
O Papa também chegou a comentar que a “cultura da Europa” nasceu de um encontro entre “a fé em Deus de Israel, a razão filosófica dos gregos e o pensamento jurídico de Roma”.
   
Ele ainda fez um pelo para a proteção do meio ambiente, dizendo que o “grito” dos ambientalistas alemães não pode ser ignorado.
   
Alguns dos parlamentares que boicotaram o discurso de Bento XVI eram do Partido Verde alemão. Os deputados alegaram que não concordam com a presença de um líder religioso no Parlamento.
   
O presidente do Bundestag, Norbert Lammert, definiu o pronunciamento de Bento XVI como um evento histórico.
   
“Na história, nunca, até então, um Papa havia falado diante do Parlamento alemão eleito pelo povo, e raramente um discurso suscitou tanta atenção e interesse nesse lugar”, disse Lammert. (ANSA)