Papa avalia que o tesouro da Igreja é a fé

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 13 de maio de 2007 as 14:37, por: cdb

O papa Bento XVI afirmou, neste domingo, durante a missa de inauguração da 5ª Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe, em Aparecida (SP), que a “fé em Deus Amor” é o mais “rico tesouro” da região.

– Este é o rico tesouro do continente latino-americano; este é seu patrimônio mais valioso: a fé em Deus Amor, que revelou seu rosto em Jesus Cristo – disse o pontífice, diante de milhares de pessoas que acompanhavam a missa diante da Basílica Nacional de Aparecida.

– Não é uma ideologia política, nem um movimento social, como tampouco um sistema econômico; é a fé em Deus Amor, encarnado, morto e ressuscitado em Jesus Cristo, o autêntico fundamento desta esperança que produziu frutos tão magníficos desde a primeira evangelização até hoje – acrescentou.

Como já havia feito na última sexta-feira, quando citou o “proselitismo agressivo das seitas”, Bento XVI voltou a defender o papel da Igreja de “difundir no mundo a caridade de Cristo” como a melhor forma de atrair fiéis.

– A Igreja não faz proselitismo. Ela cresce muito mais por ‘atração’: como Cristo ‘atrai todos a si’ com a força de seu amor, que culminou no sacrifício da Cruz.

Conferência

Na tarde deste domingo, o papa Bento XVI participou da abertura dos trabalhos da 5ª Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe, que reúne bispos de toda a região em Aparecida.

Duas linhas majoritárias no catolicismo latino-americano estarão em discussão no encontro: uma mais conservadora, que condena a politização da Igreja na região e defende o tradicionalismo e a doutrina moral católica, e outra menor, representada por bispos e teólogos progressistas que defendem a “opção preferencial pelos pobres”.

A expectativa é de que o discurso de Bento XVI na conferência, que se estenderá até 31 de maio, seja tão importante para o catolicismo latino-americano quanto a própria visita do papa.

À noite, depois de cinco dias de visita ao Brasil, o pontífice embarcou de volta para o Vaticano.

Em seus discursos no país, o papa condenou o aborto e a eutanásia, criticou o divórcio, as seitas neopentecostais, defendeu a castidade antes do casamento, pediu aos bispos que deixem questões ideológicas de lado e defendeu uma campanha de evangelização.