Palmito apreendido em Mauá será doado a famílias carentes

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 15 de agosto de 2001 as 21:49, por: cdb

Cerca de 1,5 mil pessoas serão beneficiadas com as 800 peças de palmitos apreendidas, no final da tarde desta terça-feira, por uma equipe de 15 homens da Guarda Municipal. O palmito apreendido foi levado para a 89 DP e encaminhado à Secretaria Municipal de Trabalho e Ação Social, para ser distribuído às famílias cadastradas nos programas Sopão Comunitário e Confiar, mantidos pela prefeitura, além da Santa Casa e Asilo Nicolino Gulhot.

A denúncia sobre a extração ilegal de palmito na região foi feita por um vigia da Fazenda Santo Antônio, na Serrinha do Alambari, e o material apreendido – avaliado em R$ 2 mil – estava escondido na Fazenda da Grama, em Visconde de Mauá, o que facilitaria o seu transporte. De acordo com o comandante da Guarda Municipal, João Darque Pereira, a equipe destruiu os acampamentos para que não fossem utilizados novamente.

“Infelizmente, não conseguimos deter os infratores, mas as evidências dão conta de que eles já haviam estado no local anteriormente”, disse o comandante.

Segundo o secretário municipal de Meio Ambiente, Wilson Moura, as operações para conter ações criminosas como a extração de palmito irão continuar, já que existem informações de outras pessoas agindo do mesmo modo. A extração de palmito é considerada crime inafiançável e quem for detido em flagrante pode pegar uma pena que varia de dois a seis anos de prisão. Cada árvore destas que foram cortadas leva mais de 15 anos para chegar ao tamanho preferido para os predadores.