Palmeiras volta a vencer

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 8 de fevereiro de 2003 as 20:54, por: cdb

O Palmeiras derrotou o Guarani, por 2 x 0, em pleno Brinco de Ouro. Além da recuperação dentro do Campeonato Paulista, a vitória encerra um jejum particular. Depois de sete meses, o Verdão voltou a vencer duas partidas consecutivas.

Na última quarta-feira (5), a equipe de Parque Antarctica já havia vencido o Operário-MT, por 1 x 0, pela Copa do Brasil.

A última vez que os palmeirenses ganharam dois jogos seguidos ocorreu em julho de 2002, pela Copa dos Campeões. Na fase de classificação, o Palmeiras venceu o Atlético-MG por 2 x 1 e, em seguida, pelas quartas-de-final, passou pelo Fluminense por 1 x 0.

Com a vitória, o Palmeiras chegou aos seis pontos no Grupo A, mesma pontuação do Guarani e União Barbarense. O Verdão volta a jogar pelo Paulistão na quinta-feira (13) contra o Ituano, no Parque Antarctica. No mesmo dia, o Bugre vai até Americana enfrentar o Rio Branco.

O confronto em Campinas também marcou a volta de Jair Picerni ao Estádio Brinco de Ouro da Princesa. Antes do início do Campeonato Paulista, o técnico deixou o Guarani para se apresentar ao Palmeiras. O comandante palmeirense foi criticado por torcedores e principalmente pelo gerente de futebol campineiro, o ex-jogador Neto.

Ao contrário do que ocorreu na estréia da Copa do Brasil, o Palmeiras jogou bem no primeiro tempo. O meio de campo formado por cinco jogadores (Adãozinho, Claudecir, Magrão, Zinho e Pedrinho) finalmente funcionou. Conseguiu tocar a bola com traquilidade, além de abastecer, e bastante, Anselmo, o único atacante que iniciou o confronto com o Guarani.

Os comandados de Jair Picerni levaram susto logo aos dois minutos. Livre dentro da área, o meia Reinaldo errou o gol cara a cara com o goleiro Marcos. A partir daí, o Verdão acordou para a partida. Por outro lado, o Bugre, que demonstrava que queria afundar ainda mais o Palmeiras, parou de jogar.

O primeiro gol não demorou para sair. Lançado pelo meia Zinho, o atacante Anselmo foi derrubado pelo lateral Gílson. Aos 18 minutos, Magrão cobrou pênalti sem defesa para o goleiro Jean.

Apesar da fragilidade do adversário, o Palmeiras voltou a ficar desatento. Dos 30 aos 35 minutos da etapa inicial, o Guarani poderia ter empatado. Lúcio, Rodrigão e Patrício tiveram oportunidades para deixar tudo igual.

Três minutos após quase sofrer o gol de empate, o Verdão ampliou o marcador. Pedrinho, o melhor jogador em campo, recebeu do lateral Marquinhos, cortou um zagueiro e bateu para o gol. A bola desviou no zagueiro Bruno Quadros e atrapalhou o goleiro Jean.

O jogo parecia replay até metade do segundo tempo. De um lado, o Guarani sem vontade e errando muitos passes. Do outro, o Palmeiras tocava a bola e esperava oportunidade para fazer mais gols.

O técnico Giba colocou dois atacantes (Wagner e Rinaldo) para tentar pressionar o Palmeiras. A única coisa que conseguiu foi fazer o goleiro Marcos se tornar um dos melhores jogadores em campo. Em três oportunidades, o pentacampeão mundial evitou o empate do Guarani

Faltando três minutos para o apito final do árbitro, o lateral Neném, livre, foi derrubado pelo goleiro Jean, que era o último homem e foi expulso. O volante Émerson foi para o gol bugrino. Magrão, do Palmeiras, e Paulão, do Guarani, também receberam o cartão vermelho.

GUARANI 0 x 2 PALMEIRAS

Guarani
Jean; Patrício (Wagner), Paulão, Bruno Quadros e Gílson; Émerson, Reinaldo, Alexandre (Esquerdinha) e Marquinhos; Lúcio e Rodrigão (Rinaldo)
Técnico: Giba

Palmeiras
Marcos; Neném, Índio, Denis e Marquinhos; Claudecir, Magrão, Adãozinho, Zinho (Côrrea) e Pedrinho; Anselmo (Munhoz).
Técnico: Jair Picerni

Data: 08/02/2003 (sábado)
Local: Estádio Brinco de Ouro, em Campinas
Árbitro: Wilson Luiz Seneme
Cartões amarelos: Gilson e Lúcio (Guarani); Neném, Índio, Denis e Claudecir (Palmeiras)
Cartões vermelho: Magrão (Palmeiras); Jean e Paulão (Guarani)
Gols: Magrão, aos 17 min, e Pedrinho, aos 38 min do primeiro tempo