Palestino sorri antes de detonar bomba e ferir 15 em Israel

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 4 de setembro de 2001 as 14:21, por: cdb

Um palestino disfarçado de judeu ultra-ortodoxo cometeu um atentado suicida em Jerusalém na terça-feira, ferindo 15 pessoas e pondo em risco a iniciativa européia de obter uma trégua entre israelenses e palestinos. Um policial que viu o terrorista logo antes dele detonar uma mochila cheia de explosivos disse que o homem-suicida morreu sorrindo.

“Os policiais viram que ele era um árabe vestido de judeu e o detiveram”, disse o chefe da polícia de Jerusalém, Mickey Levy, a repórteres. “Eles preveniram uma tragédia muito maior, ao detê-lo antes que chegasse numa área movimentada”.

A explosão, no bairro ultra-ortodoxo de Mea Shearim, aconteceu às 7h45 (3h45 em Brasília), a apenas um quarteirão da pizzaria onde um atentado suicida deixou 15 mortos — dentre eles um brasileiro — em 9 de agosto.

Um dos policiais que detiveram o suspeito antes dele cometer o atentado estava gravemente ferido, disseram médicos no hospital Bikur Holim.

Um repórter da rádio France Inter que trabalha em Jerusalém estava deixando sua filha na escola na rua em que houve a explosão. “Meu carro ficou seriamente danificado, coberto com pedaços de carne do terrorista suicida”, disse o jornalista Pierre Weill.

Nenhum grupo havia assumido a autoria do ataque, que coincidiu com a missão de paz do chefe para política estrangeira da União Européia, Javier Solana, para tentar encerrar os conflitos que já duram 11 meses.

O enviado visitou o local da explosão antes de marcar seu encontro com Yasser Arafat. Solana se reuniu com o ministro das Relações Exteriores de Israel, Shimon Peres, na segunda-feira.

“Isso é um ato criminoso terrível”, disse Solana.