Paixão de Cristo emociona o Agreste

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 18 de abril de 2003 as 21:26, por: cdb

Em seu penúltimo dia de encenação, o espetáculo da Paixão de Cristo, no Agreste pernambucano, atinge seu auge nesta Sexta-Feira Santa. Pelo menos oito mil pessoas passarão por aquele que é considerado o maior teatro ao ar livre do mundo.

O espetáculo, realizado há 52 anos e que já foi presenciado por nada menos que dois milhões de pessoas, conta com a participação de 500 atores e figurantes, apoiados por uma equipe técnica de 480 profissionais.

Cada passagem emociona os espectadores que acompanham a encenação pelos nove cenários construídos em Nova Jerusalém, reproduzindo de forma magnífica a Judéia de 2.000 anos atrás.

Ao longo de duas horas e meia, o público acaba interagindo com o elenco, ajudando a aumentar a sensação de realismo do espetáculo. No papel principal, o galã das telenovelas Luciano Szafir está irreconhecível como Jesus Cristo. Na caracterização, o ator ganhou a aplicação de vastos cabelos e barba.

A atriz Cristiana Oliveira volta a interpretar Maria, enquanto os papéis de Pilatos, Maria Madalena e Judas cabem a Marcelo Anthony, Xuruca Pacheco e Pedro Henrique, respectivamente. A direção é de Carlos Reis e Lúcio Lombardi

Os efeitos especiais, sensacionais, são garantidos por 860 refletores de luz para os cenários e platéias e 280 caixas de som

As 14 estações da Paixão de Cristo são contadas em 100 mil metros quadrados, que abriga desde o Cenáculo, onde Jesus realizou a Última Ceia, até os locais onde se deram a Crucificação e a Ascensão.

Nova Jerusalém está localizada na estância hidromineral de Fazenda Nova, distrito do município de Brejo da Madre de Deus, a 180 quilômetros do Recife, a capital pernambucana.

O espetáculo começou a ser encenado em Fazenda Nova em 1951, sob organização de Epaminondas Mendonça, que, a princípio, queria movimentar o comércio da vila.

A idéia de construir uma réplica da cidade de Jerusalém partiu de Plínio Pacheco, que chegou a Fazenda Nova em 1956.

Somente em 1968, foi realizado o primeiro espetáculo na cidade-teatro de Nova Jerusalém. Desde então, as apresentações acontecem anualmente e atraem espectadores de todo o Brasil e de diversos outros países.

Esta é a primeira vez que a Paixão de Cristo de Nova Jerusalém é encenada sem Plínio Pacheco, que morreu em agosto de 2002.

A entrada para o espetáculo custa R$ 40, nesta sexta-feira, e R$ 35, no sábado, o último dia de apresentação.