Países europeus e africanos se reúnem pela primeira vez

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 4 de dezembro de 2003 as 18:12, por: cdb

O primeiro vértice dos chefes de Estado e de Governo dos países do Grupo 5+5, do Mediterrâneo ocidental, se realizará nesta sexta  e sábado em Túnis. Os principais temas serão a economia, a luta contra o terrorismo e a imigração clandestina.

No vértice participarão 5 países europeus: a França, a Itália, a Espanha, Portugal e Malta, e os cinco países do Maghreb: a Tunísia, a Argélia, o Marrocos, a Líbia e a Mauritânia. Pela Itália estará presente o presidente do Conselho, Silvio Berlusconi, que é ao mesmo tempo presidente de turno da União Européia.

O presidente da Tunísia, Zine El Abidine Ben Ali, convidou também o presidente da Comissão Européia, Romano Prodi, o Alto Representante para a Política Exterior e de Segurança da UE, Javier Solana.

A reunião será realizada em um grande hotel no centro de Tunís sob estreitas medidas de segurança. O presidente francês, Jacques Chirac, acompanhado pela esposa, cinco ministros e por uma delegação de homens de negócios, já chegou, ontem, para uma visita oficial de três dias.

Estarão presentes além do mais o líder da Líbia Muamar Kadaffi, já na Tunísia; o rei do Marrocos Mohammed VI e o presidente da Argélia Abdelaziz Bouteflika.

O “Fórum 5+5” nasceu em 1983 com a proposta do então presidente francês François Mitterrand, em Marrakech, no Marrocos, como um instrumento de discussão e concentração sobre os problemas da região, “na convergência de um destino comum”, para aumentar a cooperação e colocar em pé ações de desenvolvimento longo termo.

A primeira reunião em nível de ministros do Exterior aconteceu em Roma em 1990, depois teve outra em Algeria em 1991, antes que a iniciativa se perdesse, entre o 1992 e 1999, por causa de sobretudo da crise argelina e do embargo da ONU contra a Líbia.

Em 2001 a terceira conferência do Fórum se aconteceu em Lisboa, com a iniciativa de Portugal. O ano seguinte foi Trípoli que acolheu os ministros do Exterior dos 5+5. Em outubro de 2002 em Túnis uma conferência dos ministros do Interior e do Trabalho dos 5+5 afrontava os problemas da imigração, depois outra reunião a nível de ministros do Exterior na França, em Sainte-Maxime, em 9 e 10 de abril deste ano, e aquela, ainda sobre a imigração, de Rabat (Marrocos), em 22 e 23 de outubro passado, precedeu a reunião extraordinária de Saint-Symphorien, França, de 30 de outubro.

Este vértice de Túnis, preparado de dois reuniões dos países maghrebinos em Trípoli e Algeria, permitirão aos responsáveis dos países do Mediterrâneo acidental de elaborar estratégias comuns de luta contra o terrorismo internacional, o crime organizado e os tráficos ilícitos de qualquer tipo, de estudar os meios para o relançamento dos investimentos dos países do norte para aqueles do sul, de acelerar a integração econômica da região e de rediscutir sobre trocas humanas e culturais e de fluxos imigratórios, e também sobre a política de uma luta comum contra a imigração clandestina.

Em particular, para o que se refere aos aspectos da colaboração econômica entre a Europa e os países da África do norte, este vértice deveria ajudar a afastar os medos que a ampliação da UE possa criar obstáculos para outros investimentos no Maghreb, possa reduzir as cotas das ajudas financeiras e aquelas da imigração anual legal.