‘Países Amigos da Venezuela’ se reúnem com Chávez

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 31 de janeiro de 2003 as 21:57, por: cdb

Representantes do chamado grupo de “países amigos da Venezuela” se reúnem nesta sexta-feira com o presidente venezuelano, Hugo Chávez, e com o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Cesar Gavíria.

Segundo informou a agência de notícias EFE, citando Cesar Gavíria, depois do encontro, os representantes do grupo devem se reunir com lideranças da Coordenação Democrática, da oposição, e integrantes do governo.

A pauta do encontro com Chávez ainda não foi divulgada, mas o principal objetivo da reunião é encontrar o quanto antes uma solução pacífica, constitucional, eleitoral e democrática para o impasse entre governo e oposição, informou a EFE.

Na quarta-feira, a Coordenação Democrática apresentou, pela primeira vez desde o início das negociações em 8 de novembro, uma proposta constitucional para resolver a crise.

Eleições antecipadas

A proposta apresentada pela oposição é a mesma do ex-presidente americano Jimmy Carter, que foi ao país numa tentativa de mediar a crise.

Ela prevê a diminuição do mandato de Chávez de seis para quatro anos, com eleições gerais e presidenciais a serem realizadas já em 2003.

A proposta permitiria a reeleição do presidente para apenas um mandato consecutivo, mas para ser aprovada é preciso uma emenda constitucional.

A oposição está recolhendo assinaturas para apresentar a proposta de emenda já em fevereiro. A mudança também teria que ser aprovada em um plebiscito, informou a agência de notícias AP.

Esta é a primeira visita conjunta de representantes do grupo de seis países – Brasil, Chile, Espanha, Estados Unidos, México e Portugal – à capital venezuelana.

Segundo informações do Ministério das Relações Exteriores, o enviado brasileiro é o subsecretário de política bilateral, Gilberto Sabóia, que deve chegar no fim do dia a Caracas.

Gavíria afirmou que o grupo vai garantir que qualquer acordo entre a oposição e o governo seja respeitado.

O grupo já havia expressado satisfação com a proposta de Carter.

Greve

A greve geral convocada pela oposição na Venezuela completa 60 dias nesta sexta-feira.

Os resultados vistos até agora são as perdas de bilhões de dólares, principalmente na indústria petroleira, além da possível quebra de centenas de empresas e pequenos negócios, informou a agência de notícias EFE, citando fontes do setor.

O governo já classificou a greve de “terrorista e golpista” e chama os responsáveis de “traidores da pátria”, principalmente os empresários e executivos que, a seu ver, “sabotaram” a indústria petroleira nacional – peça vital para a economia da Venezuela.

A oposição, por sua vez, acusa o governo de “ditador” e de má administração.

O país é o quinto maior exportador de petróleo do mundo e um dos principais fornecedores dos Estados Unidos.