País tem a segunda maior taxa de juros

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 16 de setembro de 2004 as 10:25, por: cdb

O Brasil tem a segunda maior taxa de juros real do mundo – descontada a inflação -, se consideradas as taxas reais projetadas para os próximos 12 meses e também os juros efetivos dos últimos 12 meses – de agosto do ano passado a agosto deste ano – conforme relatório divulgado pela Global Invest, empresa de consultoria.

A taxa de juros real projetada ficou estável em 9,2% ao ano, entre os meses de julho e agosto. Nos últimos 12 meses, até agosto, o número foi ligeiramente superior: 9,3%. A Turquia, líder desse ranking tem uma taxa de 10,9% projetada e 13,5% nos últimos 12 meses. A terceira colocada é a África do Sul, com 6,3% projetada e 7,1% de agosto de 2003 a agosto deste ano.
No caso do Brasil, para se chegar a esse resultado, foi utilizada a taxa Selic de 16% e a projeção do IPCA para os próximos 12 meses, que é de 6,12%. Com o aumento de 0,25 ponto percentual na taxa Selic, a partir de hoje, a juro real sobe de 9,24% em agosto para 9,47% em setembro.

Outros países com projeção de juros reais elevados são o México (quarto colocado), com 4,4%, Israel, 4%, Hungria, 3,6%, e Filipinas, 3,4%.

Decisão indigna CNI

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgou uma nota condenando a alta dos juros. Na nota, a entidade  afirma que aumentar a taxa básica para 16,25% ao ano foi uma decisão equivocada do Comitê de Política Monetária (Copom). A CNI diz ainda que a elevação dos juros terá impacto negativo no ritmo de crescimento da economia em 2005.

– A alta dos juros é danosa à produção e ao investimento e a CNI lamenta esta decisão. O diagnóstico de inflação de demanda que conduziu à decisão de alta dos juros é equivocado e contrapõe-se à percepção de necessidade de ampliação da oferta por meio do aumento do investimento.