Pais do motorista de Diana querem que o dna prove que o filho não estava bêbado

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 3 de agosto de 2002 as 07:50, por: cdb

Os pais do motorista francês Henri Paul, responsabilizado pelo acidente que matou a princesa Diana, anunciaram ter entrado na Justiça para tentar limpar seu nome por meio de um exame de DNA. As investigações das autoridades francesas sobre o desastre, ocorrido em Paris em agosto de 1997, indicaram que Paul estava embriagado e dirigia em alta velocidade o Mercedes que se chocou contra um dos pilares do Túnel das Almas. Paul também morreu no desastre, assim como o namorado da princesa, o milionário Dodi al-Fayed. Agora, Jean e Gisele Paul, que sempre contestaram a teoria de que seu filho costumava beber e dizem acreditar que a amostra de sangue recolhida na ocasião do acidente não era do motorista. “Queremos saber a verdade. Temos certeza de que nosso filho não estava bêbado”, disse Gisele, a mãe de Henri Paul, ao programa “Today”, da rádio BBC. “Não aceitamos isso… Eles dizem que os pais podem ser parciais, mas todo mundo que ele conhecia diz o mesmo que nós” acrescentou. O casal não especificou o tipo de ação jurídica que está impetrando, mas adiantou que exigirá do governo francês a devolução da amostra de sangue para que esta seja submetida a um exame de DNA. Segundo Jean e Gisele, o nível de monóxido de carbono detectado no suposto sangue de Henri Paul o impossibilitaria de caminhar e, muito menos, de dirigir um carro. Os pais do motorista lembraram que 30 necropsias foram realizadas no instituto médico legal parisiense no dia em que o corpo de Paul chegou ao local. “Dá pra imaginar que pode ter havido um engano, que as amostras foram confundidas”, sustentou Gisele. As autoridades francesas têm se recusado a liberar a amostra de sangue. O casal insiste que seu filho pode ter sido incriminado deliberadamente ou, na melhor das hipóteses, por conta de um erro do necrotério. “A impressão que ficou para a História é de que nosso filho foi o assassino da princesa Diana. Isso é falso”, concluiu Jean Paul. A Justiça francesa negou anteriormente um recurso apresentado pelo pai de Dodi, Mohamed al-Fayed, contra o veredicto do juiz Hervé Stephan, segundo o qual o acidente foi provocado por excesso de álcool, drogas e velocidade. Na opinião de al-Fayed, a perseguição desenfreada dos “paparazzi” contribuiu diretamente para o acidente, por obrigar Henri Paul a acelerar o carro. O milionário dono da rede de lojas Harrod’s também sugeriu uma conspiração, tramada por pessoas contrárias ao relacionamento entre seu filho e Diana.