Pai do fotojornalismo faz exposição em Paris

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 30 de abril de 2003 as 14:26, por: cdb

Quase um século depois de seu nascimento e trinta anos depois de abandonar a fotografia, o lendário fotógrafo Henri Cartier-Bresson está de volta ao foco das atenções com uma grande retrospectiva e a abertura de sua fundação em Paris.

A exposição, inaugurada na Biblioteca Nacional de Paris nesta quarta-feira, reúne 350 fotos clássicas e desenhos do francês de 94 anos conhecido como o pai do fotojornalismo.

Entre suas imagens memoráveis está o retrato do pintor Matisse em seu ateliê e cenas de rua da Indonésia, México e Estados Unidos – muitas das quais vieram a ser os retratos que definiram uma época.

– Na categoria de fotojornalismo, não há equivalente. Não há outro fotógrafo no mundo capaz de fazer o que é mostrado aqui -, disse Robert Delpire, diretor da Fundação Henri Cartier-Bresson e curador da exposição.

Fundador da agência Magnum em 1947, Cartier-Bresson tornou-se o primeiro fotógrafo ocidental que recebeu permissão para entrar na União Soviética, em 1954. Ele documentou a morte de Mahatma Gandhi na Índia e a revolução comunista na China.

– Tiras fotografias é colocar a cabeça, o olho e o coração no mesmo eixo. É uma forma de vida -, disse ele.

A técnica de aproveitar o acaso de Cartier-Bresson aparece claramente no livro de 1952 O Momento Decisivo – um título que resume seu talento para capturar instantes comoventes.

– Ele é tão rápido. A Leica aparece do nada e zum, desaparece novamente. É realmente surpreendente e em parte é devido à sua disposição natural -, disse Delpire.

– Não é um acidente de jeito nenhum. Ele simplesmente tem esse olho, esse jeito maravilhoso. Faz parte do seu gênio — não importa o que ele esteja fazendo, ele é organizado de um jeito que você suspeita que ele está armando alguma coisa, mas ele nunca fez uma foto montada na vida -, acrescentou.

Cartier-Bresson, que é notoriamente recluso e tem um temperamento difícil, aposentou-se como fotógrafo em 1974 e vem desde então dedicando-se à sua outra paixão, o desenho.