Outro vereador de São Paulo é acusado de receber suborno

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 21 de maio de 2003 as 01:04, por: cdb

Mais um vereador está sendo acusado pelo ex-proprietário da Viação Cidade Tiradentes, Marcos José Cândido da Silva.

Segundo depoimento que prestou ao Ministério Público, o empresário deu R$ 600 mil para ajudar na eleição do atual presidente da Câmara, vereador Arselino Tatto (PT).

Segundo ele, o dinheiro foi entregue “a um vereador que dirigia ônibus”. Na Câmara, há dois vereadores que foram motoristas de ônibus: José Nogueira (PT) e Alcides Amazonas (PC do B). Em dezembro, só Amazonas estava na Câmara.

– Soube que meu nome estava sendo citado por esse senhor. Acho um absurdo. Antes mesmo de o PT escolher Tatto como candidato, nossa bancada já o tinha escolhido como candidato à presidência. Não dou credibilidade alguma a uma denuncia feita por alguém que está preso por crime de estelionato – disse Amazonas.

Antes de ser vereador, Amazonas foi secretário-geral do Sindicato dos Motoristas (gestão anterior à de Edivaldo Santiago) e trabalhou como motorista na extinta Viação Vitória.

– Meu sigilo bancário está à disposição. Vão ver que estou no vermelho há muito tempo – disse.

Os R$ 600 mil vieram, segundo Silva, dos R$ 11,5 milhões que a SPTrans injetou na Viação Cidade Tiradentes. Como garantia, a SPTrans aceitou um terreno no valor de R$ 37 milhões, que os promotores descobriram não valer nem R$ 2 milhões.

– O terreno está em área de manancial e pouca coisa pode ser feita nele – disse o promotor Sérgio Turra Sobrane.
Tatto disse que a denuncia é mentirosa.

– Não me utilizo desses expedientes. Dizer que houve compra de votos para a eleição da Mesa Diretora é uma ofensa a todos os vereadores – disse.

Na próxima semana, o Ministério Público poderá chamar os vereadores denunciados para depor. Devem ser chamados Myryam Athiê, acusada de intermediar a entrada da Viação Cidade Tiradentes no sistema em troca de R$ 200 mil, Tatto, Amazonas e Edivaldo Estima, que comentou que receberia vantagens com a eleição da mesa.