Outra frustração

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 9 de maio de 2003 as 12:52, por: cdb

Os informatas fluminenses, mais uma vez, sentem-se frustrados com a falta de resultados obtidos junto à classe política. Ao contrário dos corretores e contadores, que foram incluídos no Simples pelo acordo para a aprovação do Refis, as empresas de software continuaram de fora. Não deu para entender. Quando da criação do Simples, a justificativa para a não inclusão das empresas de software respaldava-se no argumento de que a atividade não era regulamentada.

De fato, havia uma Resolução, do Conselho Federal de Administração, assumindo a responsabilidade técnica da atividade. Aquela Resolução, todavia, já foi considerada ilegal pela Justiça, não havendo hoje qualquer justificativa legal para a segregação da atividade. Além do mais, como bem lembrou um empresário do setor a esta coluna, tanto corretores como contadores têm profissão regulamentada, o que, no entendimento desse informata, torna ainda mais difícil aceitar a injustiça.

Afinal, mais de 90% das empresas de software são micros e pequenas. A opção pelo Simples poderia transformar-se em poderoso instrumento para alavancar o desenvolvimento do setor e, conseqüentemente, do Rio de Janeiro, grande produtor de software.

TETO
O presidente da Alerj, Jorge Picciani, garantiu a esta coluna que até o mês que vem estará pagando o teto salarial de R$ 17.150 para cerca de 300 funcionários da Casa. Quanto aos funcionários sem-teto salarial – os chamados marajás -, Picciani continua em cima do muro.

EM GESTAÇÃO
Fonte do setor confidenciou a este colunista que, por ato administrativo, os atuais presidentes de federações de comércio teriam seus mandatos estendidos de 2004 para 2006, de modo a coincidir com as eleições presidenciais. Para a situação, trata-se de medida prática; para os críticos, um casuísmo em benefício dos atuais ocupantes dos cargos.

HAJA IPTU!
Não houve sessão plenária, ontem, na Câmara Municipal do Rio. Motivo: apenas oito vereadores estavam presentes e o regimento interno da Casa exige um mínimo de 14 para legitimar a abertura dos trabalhos.
O Rio tem 42 vereadores. Os gazeteiros querem aumentar esse número para 55.

JUSTO
A Câmara Municipal do Rio homenageia, hoje, no Plenário Teotônio Villela, 150 mães em diversos bairros cariocas, que receberão menção honrosa e serão presenteadas com flores. O pai da idéia é o vereador Professor Gaspar, mas não é ele quem vai pagar a festa. A conta será apresentada ao contribuinte, que, como bom filho, nada pode fazer.

TEM FUNDAMENTO
O deputado estadual Flávio Bolsonaro (PP) apresentou projeto de lei que autoriza proprietários de veículos a juntar comprovantes de pagamento de pedágio e abater essas despesas no valor do IPVA. Entende que tanto pedágio como IPVA são cobrados para o mesmo fim, havendo, assim, uma bitributação.

FÚNEBRE
Um aposentado, de 63 anos, foi condenado ontem pela Justiça alemã a pagar multa de 2.700 euros por ter comemorado a morte do vizinho homossexual, soltando fogos de artifício e entoando a canção popular alemã “É um dia formidável!”, quando retiravam o caixão da casa, em Ulrichstein.
O tribunal entendeu como atentado contra a memória do defunto.

FRATERNAL
A ministra da Ação Social vai, afinal, dar efetiva contribuição ao Fome Zero. Só que num convescote privê. Terça-feira, Benedita da Silva oferece a tradicional feijoada de 13 de maio, que ela mesmo prepara, para um grupo de amigos, na sua residência de verão, no Morro Chapéu Mangueira.

TODO MUNDO NU
Especializado em retratos coletivos de pessoas nuas – homens, mulheres e não se sabe mais o que, posam voluntariamente para sua câmera -, o fotógrafo americano Spencer Tunick baixará, dia 8 de junho, em Barcelona. Na famosa cidade catalã, além de produzir mais uma de suas “artes”, vai expor, pela primeira vez, algumas delas, flagradas em cidades, como Melbourne, Montreal, Veneza e Helsinque.

À BAIANA
Em visita ao Chile, o ministro Gilberto Gil, da Cultura, cunhou uma estranha analogia para explicar por que int