Os EUA deram o “know-how”, agora não podem reclamar dos “imitões”

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 16 de setembro de 2004 as 01:23, por: cdb
Atualizado em 13/11/16 13:05

Em entrevista à agência de notícias, Reuters, na última terça-feira, o Secretário de Estado americano, Colin Powell, se declarou “preocupado” com as mudanças políticas anunciadas pelo presidente da Rússia, Vladimir Putin.

 

Segundo ele, o presidente russo estaria “se afastando” das reformas democráticas pela qual a Rússia vem passando, desde a extinção da URSS.

 

Ora, isso chega a ser irônico e previsível.

 

Irônico porque os Estados Unidos começam a se preocupar com o próprio “veneno”.

 

Afinal, o que é o USA Patriot Act, o que é a lei que impede que ex-criminosos votem, o que é um agente do FBI poder entrar em uma biblioteca e ter acesso às pessoas que lá estiveram e o que leram?

 

O que dizer da obrigação de todas as pessoas que entram no país terem que deixar suas digitais?

 

E da lei que diz que ex-presidentes dos EUA podem manter os documentos de sua presidência vedados por tempo indefinido?

 

Tudo isso foi adotado por Bush, depois dos ataques de 11 de setembro.

 

A parte previsível é que todos sabiam que assim que governos com tendência autoritária pudessem usar a mesma desculpa do terrorismo, se baseando nas atitudes arbitrárias dos EUA, eles iriam usar.

 

Ontem o Secretário da ONU, Kofi Annan declarou ter sido ilegal a invasão do Iraque. Isso não é novidade.

 

Não é novo também que George Bush deliberadamente mentiu sobre todas as acusações que fez contra Saddam Hussein.