Organizações culturais realizam cortejo contra ameaças de grupos paramilitares

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 30 de agosto de 2011 as 19:19, por: cdb

Estudantes de artes, atores e atrizes do teatro de rua e integrantes do movimento artístico da Colômbia realizam, na tarde desta terça-feira (30), um cortejo pelas ruas de Bogotá em defesa de grupos de teatro ameaçados por paramilitares. A manifestação Arte sim; ameaça não: um canto à vida pela arte está marcada para sair às 14h (horário local) do Planetário Distrital rumo à Praça Bolívar.

Com máscaras, disfarces e tambores, os manifestantes percorrem as ruas de Bogotá em repúdio às ameaças enviadas a 12 organizações artísticas das localidades de Bosa, Kennedy, Ciudad Bolívar e Tunjuelito, Distrito Capital de Bogotá.

De acordo com comunicado divulgado no último sábado (27), pela Comissão Distrital do Partido Comunista Colombiano (PCC), as ameaças foram realizadas na terça-feira passada (23) pelo grupo “Águilas Negras”. Os paramilitares deram um prazo de 8 dias para que as companhias de teatro saiam da cidade. A justificativa dada pelo grupo para a intimidação foi que as organizações culturais “Dão-se de defensores de Direitos Humanos através de atividades artísticas”.

Segundo o PCC, foram ameaçadas: Fundação Cultural Teatrama, Fundação Cultural Tea Tropical, Fundação Dissidência Teatro, Fundação Reciclarte, Fundação Cultural Súmmundraco, Fundação Cultural El Contrabajo, Corporação Teatro del Sur, Corporação Cultural Odeon, Fundação Cultural Teatrazos, Teatro Ciclo Vital, Fundação Pedra Papel e Tesoura, e Coletivo Artístico Bogotá Dual.

“Consideramos que a ameaça de morte que receberam estas organizações culturais é consequência lógica de uma sociedade que se degrada cada dia mais e rompe com o sentido vital do mais sublime que a humanidade tem que é sua produção artística, cultural e intelectual; pelo que fazemos um chamado a todas as pessoas sensatas e sensíveis, amantes da vida, a que rodeiem com seu calor, afeto e solidariedade a estas organizações, além de fazer desta uma denúncia pública permanente que proteja a vida de seus integrantes e se sinta em todo o mundo”, destacou.

A mobilização tem o apoio da Secretaria de Governo, do Instituto Distrital das Artes, da Secretaria Distrital de Cultural, Recreação e Esporte e da Prefeitura de Bogotá. Em nota de respaldo ao protesto, Catalina Ramírez Vallejo, secretária de Cultura, Recreação e Esporte, lembrou que os direitos culturais também fazem parte dos direitos humanos.

“Os direitos culturais estão consagrados na Declaração Universal dos Direitos Humanos que, em seu artigo 27, assegura que ‘Toda pessoa tem direito a tomar parte livremente da vida cultural da comunidade, a gozar das artes e a participar do progresso científico e dos benefícios que dele resultem’. Violar o direito a seu exercício é tão grave para uma sociedade e para cada pessoa como violar qualquer outro de seus direitos e, por isso, respaldamos as ações cidadãs que dentro do marco legal se adiantam para sua defesa e cabal exercício”, destacou.