Organização feminista critica campanha Promessa de Homem

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 24 de agosto de 2011 as 17:11, por: cdb

Promessa de Homem. Esse é o título dacampanha promovida pelo governo de Porto Rico que gerou rechaço de organizaçõesfeministas. Para elas, a campanha apresenta um “sexismo benévolo”, em que tratao homem como forte e coloca a mulher no papel de frágil, de quem precisa deproteção.

Areação das feministas se deu após o governador de Porto Rico, Luis Fortuño, anunciarque ampliará a ação e investirá 1,2 milhão de dólares na campanha em escolaspúblicas. Para as integrantes do Movimento Amplo de Mulheres de Porto Rico(MAMPR), tal campanha tem bases patriarcais e é um exemplo de “sexismobenévolo”.

“Acampanha Promessa de Homem é um exemplo claro de ‘sexismo benévolo’ porquereafirma o papel do homem como forte que deve proteger as mulheres e o papel damulher fraca que necessita de proteção. Este tipo de campanha parece outorgaruma visão positiva da mulher, mas, no final, a estima como fraca, a considerade forma estereotipada e limitada a certos papéis tradicionais. Ditos papéis,em vez de adiantar a equidade entre mulheres e homens, fazem é fechar-lhes emuma caixa sexista da qual resulta quase impossível sair sem receber uma reaçãoviolenta. As investigações indicam que realmente este tipo de sexismo é um tipode discriminação disfarçada que impede às mulheres sentirem-se bem quandoassume seus papéis como trabalhadoras assalariadas e chefes de sua família”,explicou Sara Benítez, porta-voz do Movimento.

Contráriasa esse tipo de sexismo, as feministas apontaram a “perspectiva de gênero” comomecanismo de análise para compreender as diferenças e buscar caminhos queajudem a superar a discriminação e as desigualdades entre homens e mulheres.”Então, o que é que impede este governo a integração da perspectiva de gênerono currículo para educar meninos e meninas sobre a equidade, o respeito a todasas pessoas, as relações interpessoais efetivas, os direitos humanos e formaspacíficas de se relacionar e de resolver os conflitos, entre outros temasrelacionados? A única resposta que encontramos para esta pergunta é que oGoverno não tem nem vontade nem desejo de criar um país no qual as mulherespossam se desenvolver plenamente e viver em paz”, comentaram as integrantes doMAMPR.

Aexpectativa das feministas era de que o Governo anunciasse a implantação da Lei108, de maio de 2006. A norma, de acordo com Sara Benítez, “obriga oDepartamento de Educação a delinear e implantar um currículo dirigido apromover a equidade por gêneros e a prevenir a violência doméstica emcoordenação com o Escritório da Procuradora das Mulheres”. No entanto, emjaneiro de 2009, o então secretário da Educação interrompeu a implantação dalei sob a justificativa de “estudar mais a fundo o projeto”.

Promessa de Homem

Realizadapelo Departamento da Família da Administração para o Cuidado e DesenvolvimentoIntegral da Infância (Acuden, por sua sigla em espanhol), a campanha Promessa de Homem, segundo folhetoinformativo do governo, tem o objetivo de “fortalecer o papel do homem como paie sua importância no processo da criança e desenvolvimento do menino/a e naprevenção da violência doméstica”.

Enquantoisso, a violência contra a mulher continua com níveis altos em Porto Rico. Deacordo com informações da Coordenadora Paz para a Mulher, até o dia 18 destemês, 25 mulheres haviam morrido por violência doméstica.

Paraler a declaração completa do Movimento, acesse: http://movimientoampliodemujeres.blogspot.com/