Oposição vai obstruir a reforma da Previdência

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 6 de novembro de 2003 as 11:07, por: cdb

Nesta quarta-feira, no terceiro dos cinco dias de discussão da reforma da Previdência no plenário do Senado, as mudanças voltaram a receber críticas de nove senadores, inclusive de um do PT e de dois do PMDB, partido aliado do governo no Congresso. Os partidos de oposição afirmaram que vão obstruir o andamento da reforma previdenciária.

O petista Paulo Paim lamentou que o governo não tenha iniciado negociações até agora, no Senado, enquanto os peemedebistas Sérgio Cabral e Mão Santa criticaram pontos da reforma, utilizando os adjetivos “covardia” e “ingenuidade”.

Os líderes dos partidos de oposição (PFL e PSDB) anunciaram que mantêm acordo de procedimentos com o governo somente até terça-feira e que, no dia seguinte, passarão a obstruir o andamento das reformas.

A manifestação foi feita em plenário pelo líder pefelista José Agripino e pelo tucano Arthur Virgílio. Virgílio sustentou que a obstrução alcançará inclusive os trabalhos da Comissão Mista de Planos, Orçamentos. O objetivo é tentar levar o governo a negociar mudanças nas reformas.

A reforma da Previdência volta a ser discutida em plenário nesta quinta-feira. O último dia dessa fase será na terça-feira e, até lá, os senadores podem apresentar emendas ao projeto. Até agora, já foram propostas 201 emendas. Elas serão examinadas e votadas pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) a partir do dia 12 de novembro.