Operação Furacão: STF dá mais prazo para defesa

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 4 de maio de 2007 as 20:12, por: cdb

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Cezar Peluso, relator da investigação sobre o suposto esquema de vendas judiciais favoráveis a donos de casas de bingo e máquinas caça-níqueis, deu mais prazo para que os advogados de seis envolvidos possam apresentar defesa técnica. O prazo de 15 dias para que cinco investigados apresentassem a defesa venceria na segunda-feira. Agora, com a decisão de Peluso, eles terão mais 15 dias para isso.

Peluso determinou que sejam enviadas aos advogados cópias integrais de todas as gravações telefônicas, desde que seja preservado o sigilo. Com isso, eles terão mais elementos para formular a defesa. O pedido para receber o teor integral das escutas foi feito pelos advogados. O prazo de 15 dias para que eles apresentem a defesa começará a ser contado a partir do recebimento do material. O ministro mandou, também, desbloquear, nas contas correntes dos investigados, os valores correspondentes aos salários, que, segundo ele, “por força de lei, são inexpropriáveis, dado seu manifesto caráter alimentar”. Em nota oficial, o STF não informou quem será beneficiado pelo desbloqueio.

Com o desmembramento do inquérito, permanecem na investigação do STF os desembargadores Ricardo Regueira e Carreira Alvim, o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Paulo Medina, o juiz do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de Campinas Ernesto Dória e o procurador Sérgio Leal, além do advogado Vírgilio Medina, irmão de Paulo Medina. O nome dele foi incluído depois na denúncia apresentada pelo procurador-geral da República Antonio Fernando de Souza ao Supremo. Se o tribunal aceitar a denúncia, abre ação penal contra os envolvidos.