Operação combate táxis piratas em Niterói

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 26 de novembro de 2015 as 13:40, por: cdb

Por Redação, com agências – do Rio de Janeiro:

Políciais da Draco/IE (Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e de Inquéritos Especiais, da CGU (Corregedoria-Geral Unificada), Subsecretaria de Inteligência, Polícia Civil e promotores do Ministério Público Estadual deflagraram nesta quinta-feira a Operação Bandeira Preta.

A polícia até o momento já prendeu 19 suspeitos de integrar a chamada “Máfia dos Táxis Piratas de Niterói”. Ao todo, a Justiça expediu 24 mandados de prisão e 52 de busca e apreensão na cidade da região metropolitana do Rio de Janeiro.

 A fraude consistia, em se apropriar de autonomias suspensas pela morte do permissionário
A fraude consistia, em se apropriar de autonomias suspensas pela morte do permissionário

Uma organização criminosa era chefiada por Roberto Carlos Brito da Costa, conhecido como Betinho, chefe da fiscalização da Subsecretaria de Transportes de Niterói, agia no Setor de Transporte Individual da secretaria, responsável pela fiscalização do serviço de táxi, segundo informações. Outro servidor lotado nesse setor, Alexander Soares Shroeder, conhecido como Shrek, também integra o grupo.

 A fraude consistia, em se apropriar de autonomias suspensas pela morte do permissionário. Os bandidos passaram a fazer duplicatas de autonomias de táxis, cujos proprietários estão vivos. Com a clonagem da autonomia legítima, a organização criminosa conseguia até cinco veículos para taxistas piratas.
Um falso cartão de identificação do motorista era emitido e o veículo pintado. Até o taxímetro era feito por “relojoeiros” da organização criminosa.

Atualmente existem 600 táxis piratas circulando em Niterói. O grupo de criminosos lucrava cerca de R$ 2,2 milhões por mês.

De acordo com as investigações, a morte do então subsecretário de Transportes de Niterói, Adhemar José Melo Reis, foi consequência de seus esforços em combater as irregularidades na falsificação de autonomia de táxis.