ONU investiga massacre no Congo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 7 de abril de 2003 as 11:09, por: cdb

A Organização das Nações Unidas (ONU) investiga o suposto assassinato de cerca de mil civis ocorrido na República Democrática do Congo na semana passada.

Testemunhas contaram que o suposto massacre no leste do Congo aconteceu horas depois de o governo do país e líderes rebeldes terem assinado um acordo para colocar fim a uma guerra de quatro anos e meio. Milhões de pessoas morreram em virtude desses conflitos.

Líderes de milícias rebeldes prometeram realizar ataques de represália, mas não houve mais notícias sobre novos episódios violentos na instável região.

Soldados da vizinha Uganda garantiam a segurança em alguns pontos do Congo na segunda-feira enquanto a ONU realizava investigações sobre o suposto massacre.

Uganda disse que entre 700 e 800 de seus soldados assumiram posições no final de semana em Drodro, onde o assassinato dos civis teria ocorrido. A medida pretende evitar mais mortes, disseram os ugandenses.

As forças ugandenses estão a cerca de 80 quilômetros da fronteira com seu país, um dos seis envolvidos nos conflitos no Congo.

A região é palco atualmente de uma nova onda de violência alimentada por choques entre as milícias tribais dos hema e dos lendu. Uganda aliou-se inicialmente aos hema, mas acabou se distanciando da etnia ao longo da guerra quando essa se aproximou de Ruanda, um ex-aliado e hoje adversário do país.

A ONU criou uma comissão para negociar o fim dos choques, mas um cessar-fogo local selado em março não foi observado.

A organização disse no domingo ter tido informações sobre o assassinato de 966 pessoas em Drodro. Um porta-voz da entidade afirmou que várias testemunhas fizeram relatos sobre as três horas de massacre na cidade, controlada pelos Hema.