Ônibus explode no norte de Israel

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 5 de março de 2003 as 10:39, por: cdb

Oito pessoas morreram e 30 ficaram feridas -15 delas em estado grave- com a explosão de um ônibus nesta quarta-feira em Haifa, no norte de Israel, informou o jornal israelense Haaretz. Segundo a polícia israelense, a explosão foi causada por um homem-bomba.

O ônibus de número 129 explodiu quando deixava o terminal em uma das mais importantes avenidas da cidade, a Moriah Boulevard, na entrada do bairro de Carmeliya. Segundo o serviço de primeiros-socorros da região, 20 pessoas já foram retiradas do local e levadas a hospitais.

O último incidente desse tipo ocorreu há dois meses. No dia 5 de janeiro, um duplo atentado suicida matou 23 pessoas e deixou mais de cem feridas no centro de Tel Aviv. Na época, dois terroristas palestinos detonaram explosivos presos a seus corpos em um intervalo inferior a um minuto e a apenas 150 metros de distância.

A primeira explosão aconteceu dentro de um pequeno shopping center e a segunda na antiga estação de ônibus da cidade. Prédios vizinhos foram danificados e pessoas se feriram a dezenas de metros dos locais das explosões.

Violência

Nesta terça-feira, 26 palestinos foram detidos durante a madrugada em diversos pontos da Cisjordânia pelo Exército israelense.

As detenções aconteceram principalmente no centro antigo da cidade de Nablus, norte da Cisjordânia, onde os soldados faziam rigoroso controle de identificação das pessoas. Um dos militares chamou a região de “bunker do terrorismo”.

Na segunda-feira (3), nove palestinos morreram em ações do Exército de Israel. um palestino de 23 anos que ia para o trabalho foi gravemente ferido por tiros disparados por soldados israelenses e morreu horas depois em Nablus, norte da Cisjordânia, informaram fontes médicas locais.

Mohammed Issa, morador de uma aldeia próxima a Nablus, foi atingido quando se dirigia a Ramallah, onde trabalhava como pintor de paredes.

Com esta morte, já são 3.013 o número de vítimas desde que começou a segunda Intifada, no final de setembro de 2000, das quais 2.262 eram palestinos e 695, israelenses.

Também na segunda-feira, tanques e soldados israelenses invadiram um campo de refugiados da faixa de Gaza, matando oito palestinos em novos confrontos que eclodiram durante a prisão de um líder do grupo islâmico Hamas.

Funcionários de um hospital disseram que uma palestina grávida, de 33 anos, morreu ao ser atingida pelos escombros da casa de um militante, demolida pelos israelenses. Um menino de 13 anos teria sido morto a tiros.