OLP treina equipe do Segurança Presente no Aterro do Flamengo, Lagoa e Méier

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 27 de outubro de 2015 as 13:59, por: cdb

Por Redação, com ARN – do Rio de Janeiro:

A partir do dia 1º de dezembro, o Aterro do Flamengo, a Lagoa Rodrigo de Freitas, Zona Sul do Rio, e 20 ruas do Méier, Zona Norte da cidade, serão contemplados com a Operação Segurança Presente, que segue os mesmos moldes da Operação Lapa Presente (OLP).

A Fecomércio, Federação do Comércio do Estado do Rio, vai investir R$ 22 milhões por ano, custeando salários e uniformes das equipes, segundo convênio de dois anos assinado com o governo do estado.

Os 370 integrantes do novo modelo de policiamento farão estágio no reduto boêmio do Rio, antes do início dos trabalhos. A ação contará com bicicletas, motocicletas, viaturas e vans e todas as abordagens serão filmadas. O horário de atuação das patrulhas irá de 6h às 22h. No Aterro o funcionamento será de 7h às 18h em domingos e feriados. Os policiais deverão trabalhar com coletes e tarja de identificação.

De acordo com o capitão Leonardo Laureano, coordenador da OLP, reduzir a criminalidade e a vulnerabilidade social nos locais continuam sendo os principais objetivos dos agentes.

Os 370 integrantes do novo modelo de policiamento farão estágio no reduto boêmio do Rio
Os 370 integrantes do novo modelo de policiamento farão estágio no reduto boêmio do Rio

– As regiões são diferentes, mas o planejamento é similar. Assim como a Lapa Presente, a Segurança Presente tem como princípio a polícia de proximidade, com tratamento respeitoso ao cidadão. A filosofia é a mesma. As ações serão filmadas, para que os policiais e a população estejam protegidos e respaldados – disse o oficial, ressaltando que “assim como na Lapa Presente, o treinamento dará aos agentes noções de polícia de proximidade e de policiamento comunitário para que o cidadão possa ser atendido com educação e cordialidade. Essa qualificação deve durar cerca de uma semana. Depois da teoria, esses homens serão utilizados na Lapa Presente, onde passarão por uma espécie de laboratório”.

Sobre a parceria com a Prefeitura do Rio, Leonardo Laureano informou que a prefeitura tem um papel importantíssimo no projeto, bem como a Comlurb, a Guarda Municipal e a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social.

– Nosso trabalho não é apenas reduzir a criminalidade nessas áreas, mas diminuir a vulnerabilidade social. E, para isso, contamos com os assistentes sociais”, enfatizou.

Na área do Méier todo o planejamento operacional foi feito com base na mancha criminal. “A Dias da Cruz é uma rua com incidência de roubo a transeuntes, assim como a região próxima ao Hospital Salgado Filho. Além disso, naquela área temos uma estação de trem, um local com grande circulação de pessoas”, disse.