Oito israelenses morrem em ataque palestino

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 12 de dezembro de 2001 as 17:55, por: cdb

Pelo menos oito pessoas morreram, e mais de 30 ficaram feridas, em um ataque realizado por militantes palestinos na noite desta quarta-feira. Um atirador palestino atirou granadas e abriu fogo contra um ônibus que levava colonos judeus na Cisjordânia. O grupo Brigada de Mártires Al-Aqsa – ligado ao movimento Fatah, base de apoio de Yasser Arafat – assumiu a autoria do atentado.

Em um segundo ataque, na Faixa de Gaza, um palestino suicida feriu pelo menos quatro pessoas ao explodir uma bomba que carregava, do lado de fora de um hotel no assentamento judeu de Gush Khatif. Pouco antes dos atentados, tanques israelenses tinham voltado a entrar na cidade palestina de Jenin, na Cisjordânia.

A ação do Exército israelense provocou troca de tiros, na qual dez pessoas ficaram feridas, segundo fontes palestinas. Já de acordo com o Exército de Israel, dois tanques entraram nos subúrbios de Jenin, depois de terem sido atacados por atiradores palestinos.

Os confrontos aconteceram depois de uma madrugada em que quatro palestinos foram mortos por forças israelenses, no sul da Faixa de Gaza. Os palestinos mortos foram enterrados hoje. Enquanto ocorriam os funerais, o líder palestino Yasser Arafat declarou que o primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, quer prejudicá-lo pessoalmente.

“Ele (Sharon) busca me atingir e tem mostrado isso publicamente desde 1982”, disse Arafat a um jornal do Kuwait. Sharon era ministro da Defesa em 1982 quando Israel invadiu o Líbano. Milhares de palestinos compareceram nesta quarta-feira ao funeral dos quatro palestinos mortos.

Nos ataques da madrudaga, helicópteros israelenses fizeram dois bombardeios com mísseis e atingiram uma área residencial perto do acampamento de refugiados de Khan Yunis. Dois palestinos, que estavam em um cemitério na hora do bombardeio, foram mortos durante o primeiro ataque. Os outros dois morreram na segunda ofensiva.

A rádio do Exército de Israel informou que o helicópteros bombardearam prédios perto do acampamento em represália a ataques contra assentamentos de colonos judeus, realizados horas antes.