OGX amplia portfólio de olho em gás na bacia do Parnaíba

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 24 de setembro de 2009 as 12:33, por: cdb

O braço de petróleo e gás natural do grupo EBX, do empresário Eike Batista, a OGX, anunciou nesta quinta-feira a compra de participação em sete blocos terrestres na bacia do Parnaíba, no Maranhão, em busca de gás natural para abastecer as térmicas da empresa de energia do grupo, a MPX.

Segundo o comunicado, a OGX adquiriu 70% junto à Petra Energia, que permanece com 30% dos blocos.

– Os blocos estão localizados em uma bacia de nova fronteira e se estendem por 21.471 quilômetros quadrados e apresentam relevante potencial para produção de gás –, informou a OGX em nota.

Em paralelo, a empresa assinou com a MPX, braço de energia elétrica do grupo, memorando de entendimentos para criar uma nova empresa de fornecimento de gás natural às usinas termelétricas da MPX. A nova companhia será 66,7% da OGX e 33,3% da MPX.

– A aquisição tem como contrapartida o pagamento à Petra do montante equivalente ao bônus de assinatura e assunção de 100% dos custos e garantias referentes ao Programa Exploratório Mínimo (PEM) do primeiro período exploratório , informou a OGX em nota sem esclarecer –quanto foi desembolsado.

– Os custos serão rateados pela OGX e a MPX na proporção de suas participações no capital da nova SPE (sociedade de propósito específico) –, complementou.

A OGX é a maior companhia privada brasileira no setor de petróleo e gás natural em termos de área marítima de exploração. Após a compra desses blocos, terá aproximadamente 7.000 quilômetros quadrados de blocos no mar e 21.500 quilômetros em área terrestre.

Ao todo o portfólio da companhia possui agora 29 blocos exploratórios nas Bacias de Campos, Santos, Espírito Santo, Pará-Maranhão e Parnaíba.

A companhia informou ainda que possui cerca de US$ 4 bilhões para investimentos em exploração, produção e novos negócios. Em junho de 2008, a empresa captou recursos na ordem de R$ 6,7 bilhões em oferta pública de ações, no maior IPO primário da história da Bovespa.