Ocupa MinC comemora sucesso de ‘escracho’ a ministro de governo golpista

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 2 de julho de 2016 as 18:32, por: cdb

Ato público de repúdio ao governo de facto de Michel Temer levou manifestantes a promover um ‘escracho’ ao ministro da Cultura

 

Por Redação – do Rio de Janeiro

 

“Primeiramente, fora Temer”. Esse é o cumprimento que dava início a qualquer diálogo na Ocupação do Ministério da Cultura (Ocupa MinC), em curso no Palácio Gustavo Capanema, Centro do Rio, neste sábado, durante a avaliação do protesto promovido, noite passada, junto ao ministro da Cultura, Marcelo Calero, nomeado no governo golpista de Michel Temer.

Ministro da Cultura, nomeado no governo do presidente de facto, Michel Temer, evita os manifestantes no Centro do Rio
Ministro da Cultura, nomeado no governo do presidente de facto, Michel Temer, evita os manifestantes no Centro do Rio

A ação, aplaudida pelos manifestantes, levou Calero a “fugir pela saída do lixo da Biblioteca Nacional, acovardado pela presença do povo”, como afirma a página do Ocupa MinC, em uma rede social.

Assista à manifestação:

Nos comentários sobre o ato público de repúdio ao golpe de Estado, em curso no país, uma leitora se pronuncia:

“A ordem é essa: não dar sossego a quem tirou das pessoas inocentes!!! Portanto, perseguição para os golpistas, estejam onde estiverem. Pensaram que iam fazer essa bandalheira toda e ficarem ao seus bel prazeres!!! Estão muito enganados. Aonde estiverem vão sair voando porque nós não daremos sossego a esses vigaristas!”.

Recentemente, a atriz Marieta Severo também se pronunciou contra o golpe de Estado. Em um pronunciamento público durante ato em defesa do Ministério da Cultura, no Ocupa MinC, Severo afirmou que o governo do presidente interino Michel Temer é “ilegítimo”.

— Não coloquem a cultura em uma posição contrária à saúde e à educação. O que nós queremos é construir um país junto com a saúde, junto com a educação, mas dentro de um governo legítimo. Não queremos isso em um governo ilegítimo. Nós não reconhecemos esse governo — disse ela em um depoimento à página do Circuito Universitário de Cultura e Arte (CUCA) da União Nacional dos Estudante (UNE), que integra a ocupação ao lado de outros movimentos sociais.